quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Pelos Caminhos de Portugal: Castelo de Vide

O passado, mais ou menos fantástico, ou mais ou menos organizado posteriormente, age sobre o futuro com um poder comparável ao do próprio presente.
(Paul Valéry)


                                     
Chegados a Castelo de Vide, partimos à descoberta de mais esta aprazível vila alentejana.
Uma parte situa-se dentro das muralhas, mas a povoação já se estendeu para fora delas. Seguimos para o centro histórico, onde deparámos com um conjunto arquitectónico muito bem conservado, resultante da permanência dos diversos povos que por ali passaram.
Estacionámos o automóvel junto ao edifício dos Paços do Concelho, pois a  visita ao castelo era inevitável.  Iniciámos a subida a pé, através de ruas e ruelas estreitas e íngremes, ladeadas por casinhas brancas, com as suas portas e janelas ogivais muito antigas e bem conservadas.

                                           

- Portas ogivais -

Chegados ao castelo, mandado construir por D. Dinis,  subimos ao ponto mais elevado e, uma vez mais, deparámos com uma espectacular paisagem. Ao fundo da colina, oliveiras e castanheiros conviviam harmoniosamente com carvalhos e pinheiros, tornando aquela envolvência numa aprazível e fresca  região que muitos compararam a Sintra.



- Vista a partir do castelo -

O casario branco, aparece à nossa frente e, ao longe a serra de S. Mamede e Marvão.
Mais uma pacata e bela vila alentejana, que nos recebeu com toda a simpatia dos seus habitantes e que ficará para sempre na nossa memória.



Obrigada pela sua visita. Volte sempre.













1 comentário:

Fernanda disse...

Amiga,

Agora venho só trazer os meus votos de Feliz natal. Voltarei.

O Natal não é somente
Celebrar solenemente
A data mais conhecida.
Natal é qualquer momento
De amor e sentimento
Que ilumina a nossa vida.

É o dar sem receber
É no coração conter
Dimensão de caridade.
É dar esmola ao mendigo
Ajudar os sem abrigo
Com franca fraternidade.

Natal é p’ro ser humano
Qualquer altura do ano
Em que visita um doente.
Quando aos fracos dá a mão
E aos tristes em solidão
Ou conforta alguém ausente.

Natal é a força maior
A grande lição de amor
Que o Homem deve saber
Sem grandes filosofias
Natal é todos os dias
Quando o queiramos fazer !...

Beijos,