domingo, 6 de dezembro de 2009

O Azeite

Não tente improvisar para o futuro.Inove no presente.
(Peter Drucker)
                                   

Ter férias no final do Outono, permitiu-me assistir a alguns trabalhos agrícolas a que só tinha assistido no ano em que leccionei no Sobral Magro. Durante esses dias, decorria com grande azáfama a apanha da azeitona. Como é meu hábito, lá fui captar algumas imagens que vou partilhar com os leitores deste blog.
Logo que as azeitonas se encontram maduras, estendem-se  fardos no chão e encosta-se uma escada às oliveiras.




Já em cima da escada, homens ou mulheres sacodem os ramos para as azeitonas cairem sobre o fardo que se encontra no chão, para depois serem colocadas em sacas. Apanham também, à mão, algumas  mais resistentes que não caem da árvore.


Aquelas  que caem fora do fardo, são também apanhadas pois nada se pode perder.
Por fim, as sacas cheias de azeitona são levadas para o lagar, onde se vai fazer o azeite.


Há alguns anos atrás, os lagares eram bastante artesanais. No Sobral Magro havia um, que foi destruído num dos últimos incêndios.  Funcionou durante muitos anos,  produzindo muito do azeite da região. Ali se  passavam dias  onde ora se  trabalhava,  ora se  convivia alegremente por entre uma ou outra tibornas. 
Actualmente, com as regras impostas pela União Europeia, tudo se modificou. Poucos são os lagares que  a funcionar que respeitem as directrizes comunitárias.
As duas  fotos seguintes foram tiradas da Net, do blog da aldeia de Beijós e pertencem ao lagar da Bobadela. É  ali que vão actualmente, a  maior parte dos habitantes de Sobral Magro para  fazerem o seu azeite, tendo muitas vezes, que ali passar o dia e a noite,  aguardando a sua vez para espremerem a  sua azeitona.




Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

7 comentários:

Dulce disse...

Bom dia, Lourdes
Acostumados a termos na mesa deliciosas azeitonas, maravilhosos azeites, sequer pensamos em como chegaram ao supermercado, onde os compramos. Excelente idéia essa sua de mostrar-nos os processo de colheita das azeitonas e dar-nos uma indicação do caminho que seguem para serem transformadas no azeite nosso de cada dia. Parabéns.
beijos e bom domingo

Mourinha disse...

Pois é D. Lourdes, infelizmente(por um lado) as tais directrizes de que fala têm acabado com muitas das nossas tradições e costumes. Como sabe os lagares manuais e artesanais eram locais de trabalho um pouco sujos e em que não se podia andar de bata branca, mas em que o resultado era bem limpinho e bom, o azeite. O lagar da Foz da Moura, como sabe, trabalhou durante muitos anos nas mãos do meu pai que sempre fez questão de o manter asseado e cumprir as normas dentro das possibilidades. Mas como lhe foram impostas algumas regras demasiado dispendiosas para o lagar laborar apenas um, no máximo dois meses por ano, este encerrou portas. E quem fala em lagares de azeite fala em fabricação artesal de queijos cuja cura deve ser feita em pranchas de madeira e não em inox. Mas como regras são regras, algumas tradições acabam.
Um beijinho da Mourinha.

M. Lourdes disse...

Pois é, Dulce. Até chegar às nossas casas, há um difícil e moroso caminho a percorrer. A maior parte de nós não fazideia do que é este trabalho.
Beijinhos

M. Lourdes disse...

Mourinha tem toda a razão e eu não considero que os locais fossem assim tão sujos. Também não me lembro de ninguém ter sido acometido de doenças provocadas por esses processos. O mesmo se aplica aos queijos, enchidos e outros produtos artesanais. Mas temos que viver no país que temos, com as leis que outros interesses ditaram e, aos poucos, vamos perdendo a nossa identidade.
Beijinhos

Pitanga Doce disse...

Nunca participei da apanha das azeitonas, apesar da familia ter oliveiras. É um trabalho ingrato. Prefiro as vindimas em tempo de sol. Quanto ao azeite, costumava dizer que era capaz de comer batatas cozidas com azeite e pão.E só. As batatas eram da melhor qualidade e o azeite não ficava atrás.

Fernanda disse...

Olá amiga Lourdes,

Muito interessante, nunca assisti à apanha da azeitona nem ao processo de fabricação do azeite.

Gostei muito desta aula e das fotos.

Beijinhos
Fernanda Ferreira

Helena Teixeira disse...

Olá Lourdes!
Bemvinda de regresso das férias.Pelo que li parecem ter sido óptimas :)
Espero que participe na Blogagem de Dezembro,mais não seja,comentando os textos a partir do dia 10.É para uma boa causa :)

Quando li sobre a azeitona e o azeite,fiquei logo com vontade de petiscar um prato delas.Hum...e Azeite adoro regar as batatitas...

Boa semana
Jocas gordas
Lena