domingo, 27 de dezembro de 2009

Natal na Serra do Açor I

Oxalá pudéssemos meter o espírito de Natal em jarros e abrir um jarro em cada mês do ano.
(Harlan Miller)


Em várias aldeias da serra do Açor, a fogueira de Natal é uma actividade obrigatória na quadra natalícia.
Na última postagem, mostrei algumas imagens fotográficas enviadas pela Ana Teresa, sobre a forma como este ano se deu continuidade à tradição.
A chuva não fez arrefecer o ânimo de um grupo de  sobralmagrenses que, não quis deixar perder esta tradição tão arreigada na história dos costumes da sua aldeia. Mesmo havendo cada vez menos habitantes na povoação, houve um animado grupo que fez manter bem acesa a chama da tradição.
Hoje vou mostrar mais algumas fotografias. Nestas são visíveis alguns sinais da evolução dos tempos. O trabalho que outrora era feito  à custa da força física dos homens, hoje em dia é aliviado pela ajuda de ferramentas mais modernas, que suavisam a dureza desse trabalho.



- A moto-serra ajuda no corte  dos pinheiros -



- A moto 4 que puxou o atrelado com os troncos dos pinheiros -

 


- Uma vez mais a moto-serra ajuda no corte dos troncos -



- O meu primo acende um pequeno pedaço de madeira seca com um isqueiro -



- Os troncos molhados ardem fazendo uma enorme fumarada -



- Na manhã seguinte, a fogueira quase extinta -



Actualmente, é costume deixar a fogueira a arder até  se apagar. Pela  passagem do ano será de novo   ateada para permanecer acesa enquanto a lenha durar.


Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

2 comentários:

Osvaldo disse...

Olá, Lourdes;

Ainda conheci em Tabuaço, minha terra, a tradição da fogueira na praça principal da vila. Só que era acesa na Noite de Natal e ia-se alimentando a chama que culminaria na noite da passagem do ano com a queima do cêpo que se colocava na fogueira de Natal ardia até não haver mais chama.
Era uma bela tradição já que as familias se ocupavam para não deixar apagar a fogueira até à colocação do cêpo e todas as noites o povo cantava em volta da fogueira.
Não sei se ainda se pratica essa tradição pois há cinquenta anos que por lá não passo a época Festiva do Natal.

bjs e Bom Ano, Lourdes.
Osvaldo

José Pinto disse...

Olá M Lourdes
Gostei da sua reportagem sobre o fogueirão do Natal. Tudo ao pormenor! É bom ver a azáfama dessa rapaziada. São esses "resistentes" que mantêm vivas as tradições das aldeias do interior.
Boas Festas.
Feliz Ano Novo.