terça-feira, 12 de novembro de 2019

Horizontes da Memória- Oliveira do Hospital

Recordando um grande senhor já falecido, muito conhecedor da História de Portugal, num programa de 1999, onde falou sobre o Chão Sobral e Oliveira do Hospital, iniciado a partir do Monte do Colcurinho.





Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Porque é fim de semana: União das Freguesias de Freixeda do Torrão, Quintã de Pêro Martins e Penha de Águia 1

Porque é fim de semana,  continuamos a  descobrir mais algumas povoações   do concelho de Figueira de Castelo Rodrigo e vamos conhecer as povoações que formam a União das Freguesias de Freixeda do Torrão, Quintã de Pêro Martins e Penha de Águia, começando em Freixeda do Torrão.




Situada a 5 Km da sede concelhia , num vale da Serra da Marofa, Freixeda do Torrão foi sede de uma freguesia extinta em 2013, no âmbito da reforma administrativa nacional.
Desconhece-se a origem do povoamento nesta  localidade, mas pensa-se que  a região foi habitada por povos pré-históricos.
Da ocupação romana, existe uma ponte  que atesta a permanência deste povo na região.


O primeiro documento em aparece uma  referência a esta povoação data de 1190, onde é mencionada a "Granja da Fonte do Canto", no lugar de Freixeda do Torrão.

Da Guerra da Restauração  podiam-se observar até há bem pouco tempo, ruínas de um antigo forte, outrora designado por "Reduto", e que serviria para defender a urbe dos ataques espanhóis.

A padroeira de Freixeda do Torrão é Nossa Senhora dos Anjos. 


A Igreja Matriz é bastante antiga e
 foi construída em data anterior a  1395. Sofreu um  grande incêndio, que a destruiu parcialmente em Agosto de 1908, tendo sido restaurada em 1912. 
Tem  planta  longitudinal com  uma nave de cinco tramos, capela-mor de construção seiscentista,  sacristia e capela lateral adossadas. 
A fachada principal em frontão truncado por sineira dupla, com acesso pela zona posterior sobre as coberturas criando um vão, sendo rasgada por portal em arco de volta perfeita (do século XV).
No interior, destaca-se  uma capela manuelina (Capela de Nosso Senhor dos Passos), que foi originalmente construída no Solar dos Metelos. 

Existem ainda  três Capelas na povoação. São elas:
- Capela de São João  


- Capela de Santa Ana

Capela de Nossa Senhora de Lourdes


Do património de Freixeda do Torrão há ainda a destacar a Torre e o  Solar dos Metelos, uma torre residencial de granito datada do século XV, constituída por uma planta quadrada com balcões assentes em cachorros. 
As obras que posteriormente tiveram lugar estabeleceram ligação ao solar anexo, construído no séc. XVII

Resultado de imagem para Torre dos Metelos Freixeda do torrão

Fonte e fotos da Internet


Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




quinta-feira, 7 de novembro de 2019

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Volta pela Serra

Chegaram o frio e a chuva e, com um passeio anteriormente agendado, enchêmo-nos de coragem e enfrentámos o espesso nevoeiro que cobria a serra com o seu manto, para nos dirigirmos à Barragem de Santa Luzia.

Luadas e Pai das Donas

Passámos por várias aldeias. Se não as conhecêssemos, não nos era possível perceber a beleza que cada uma encerra.
Aqui e além, o nevoeiro dava tréguas e podíamos apreciar a magnitude desta serra, onde tenho as minhas raízes e à qual tenho tantas ligações afectivas.

Portela de Unhais

Unhais o Velho

Barragem de Santa Luzia

Ponte de Fajão


Camba

Porto da Balsa


Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




terça-feira, 5 de novembro de 2019

Templos religiosos do concelho de Arganil


Prosseguindo o tema dedicado aos templos religiosos do concelho de Arganil, vamos continuar na antiga freguesia de Barril do Alva, para conhecer os seus templos religiosos.
Nesta povoação, para além da Igreja Matriz,  existem mais duas Capelas. Cada um destes templos correspondem a cada um dos três pequenos lugares que deram origem ao Barril do Alva e que já existiam em 1721.
A Capela do Casal Fundeiro é dedicada a São Simão; a do Casal do Meio é dedicada a Santo Aleixo e a do Casal Cimeiro  a Santa Maria Madalena.


- Igreja Matriz



- Capela de Santo Aleixo

      

- Capela de Santa Maria Madalena





Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Tarte gelada de bolacha


400ml de natas
3 claras*

4 colheres (sopa) de açúcar

200g de bolacha maria

leite q.b.

6 gemas

6 colheres (sopa) de açúcar

6 colheres (sopa) de água



Bata as natas com o açúcar até obter um chantilly. 
Bata as claras em castelo e envolva nas natas. 
Forre uma forma redonda de 20cm de diâmetro com película aderente(para desenformar melhor) e vá fazendo camadas de bolacha embebida em leite e creme de natas. Termine com uma camada de natas e leve ao congelador até endurecer.

Entretanto, misture as gemas, o açúcar e a água com uma vara de arames. Leve ao lume até engrossar e deixe arrefecer. 
Quando a tarte estiver solidificada, barre com o creme de ovos e leve novamente ao congelador. 
Convém retirar do frio cerca de 15 a 20 minutos antes de servir.


*Inicialmente eu não usava mas acho que o creme fica mais leve e assim também se fica com menos claras guardadas.







Fonte: https://gulosoqb.blogspot.pt




Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




sexta-feira, 1 de novembro de 2019

União de Freguesias de Cinco Vilas e Reigada 2

Porque é fim de semana, vamos continuar a  descobrir mais algumas povoações   do concelho de Figueira de Castelo Rodrigo e vamos para a União de Freguesias de Cinco Vilas e Reigada.
Vamos hoje para Reigada, antiga freguesia  extinta pela Reforma Administrativa Nacional para com Cinco Vilas formar a União de Freguesias de Cinco Vilas e Reigada da qual é a sede.


Reigada é uma  povoação muito antiga, dela se falando em 1190, numa doação feita por Afonso IX, Rei de Leão.  Foi uma herdade doada à Ordem de São Julião do Pereiro.
Em 1268, D. Garcia Fernandes, mestre da ordem, concedeu carta de foro aos povoadores da Reigada.
A 15 de Novembro de 1519, D. Manuel concedeu-lhe Foral  Novo, onde surge com a designação de Arreigada, sendo elevada a Vila. Em 1527 já aparecia com a designação de Reyagada. Em 1650, D. João IV confirmou o foral e elevou-a à categoria de Concelho, extinto em 1836, passando a Freguesia anexa ao concelho de Almeida, onde se manteve até 1895, data em que foi integrada no município de Figueira de Castelo Rodrigo, onde se mantém até aos dias de hoje.


O orago de Reigada é São Vicente.
Do património desta povoação destacam-se, entre outros: 

- Igreja Matriz 


Este templo tem  estilo de características românicas.
A entrada principal mostra uma pequena porta com arco em ogiva e uma cruz em pedra,do lado direito, encostada à parede. 
Em cima, um campanário de duas sineiras.
O templo resguarda um lindo altar barroco de talha dourada, emoldurado por quatro colunas salomónicas, enfeitadas com lavores foliáceos, terminando em capitéis compósitos.

- Calvário em Reigada



- Capela de Santo António



- Capela de Santo Cristo



- Capela de São Sebastião



- Cruzeiro


- Torre do relógio




Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




quinta-feira, 31 de outubro de 2019

" Pigottines" 2

Hoje partilho um video da artesã em que me inspirei para fazer os meus anjos de Natal.
Neste video o projecto é uma excelente ideia para quem festeja o Halloween.




Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




quarta-feira, 30 de outubro de 2019

"Pigottines"

Há alguns anos que sigo  os trabalhos de Vanda Brombin, em especial as suas  lindas bonecas em "le Pigottine di Vanda". 
Também já fiz algumas e, este ano, resolvi presentear algumas amigas , pelo Natal, com anjos que têm por base as bonecas daquela artesã.
Eis alguns exemplos de anjinhos já prontos. 











Obrigada pela sua presença. Volte sempre!







terça-feira, 29 de outubro de 2019

Chafariz d' El Rei

O post de hoje vai ter como tema mais um dos chafarizes de Lisboa. Desta vez é o Chafariz d' El Rei, o mais antigo e um dos mais conhecidos da capital do país. 



Situado  na Rua Cais de Santarém, perto do Museu do Fado, foi construído em época remota, talvez durante a ocupação árabe, numa altura em que Lisboa vivia com falta de água. No entanto , só no reinado de D. Afonso II, apareceu mencionado, sendo, na época, conhecido como o Chafariz de S. João da Praça dos Canos.  
No reinado de D. Dinis, sofreu algumas alterações e, só desde então,  passou a ser conhecido pelo nome actual.
Ao longo dos tempos, o chafariz foi sofrendo danos e melhorias, até que o terramoto de 1755 o destruiu por completo.
De novo foi construído e em 1861 apresentava já o aspecto actual.
Actualmente, já sem água, é apenas uma recordação do passado




Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




segunda-feira, 28 de outubro de 2019

O Outono segundo Miguel Torga



OUTONO

Tarde pintada
Por não sei que pintor.
Nunca vi tanta cor
Tão colorida!
Se é de morte ou de vida,
Não é comigo.
Eu, simplesmente, digo
Que há fantasia
Neste dia,
Que o mundo me parece
Vestido por ciganas adivinhas,
E que gosto de o ver, e me apetece
Ter folhas, como as vinhas.


Diário X


Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




sexta-feira, 25 de outubro de 2019

União de Freguesias de Cinco Vilas e Reigada 1

Porque é fim de semana, vamos continuar a  descobrir mais algumas povoações   do concelho de Figueira de Castelo Rodrigo e vamos para a União de Freguesias de Cinco Vilas e Reigada
Começamos na povoação de Cinco Vilas, antiga freguesia  situada a 15 Km da sede do município e que, segundo a tradição oral,  se terá chamado, inicialmente, Vila Nova.
Cinco Vilas fica situada   numa região de origem muito antiga, como comprovam os achados arqueológicos encontrados, que remontam  à época proto-histórica.
Os Romanos também ali deixaram a sua marca na via que outrora servia de rota comercial entre as povoações raianas e a cidade da Guarda. 


No termo desta freguesia, foi fundada a Ordem Militar de S. Julião do Pereiro, confirmada em 1167 pelo Papa Alexandre III.
No séc. XVI, refugiaram-se aqui, durante uma  batalha travada entre portugueses e  espanhóis, os moradores das povoações de Nossa Senhora do Pronto, Senhora do Pereiro, São Pedro e Fontenares
Esta última povoação,  que havia recebido foral de D. Manuel I,  foi arrasada pelos espanhóis, tendo o seu foral passado para Cinco Vilas, que passou então a ser Vila e sede de concelho. 
No início do século XIX,  passou a freguesia e foi integrada  no concelho de Almeida. Em 12 de Junho de 1895, foi finalmente anexada ao município de Figueira de Castelo Rodrigo.



A freguesia foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, para, em conjunto com Reigada, formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Cinco Vilas e Reigada com a sede em Reigada.

O orago de Cinco Vilas é Nossa Senhora do Pranto.
Do património desta localidades destacam-se:

-  Igreja Matriz de Santa Maria Maior


De características românicas, esta igreja  situa-se no centro da Aldeia. Acredita-se que o templo primitivo foi edificado no século XIV ou XV pela Ordem de Cristo, datando a igreja atual de 1694. 
Apresenta uma planta longitudinal composta por uma nave dividida em três tramos, uma capela-mor mais estreita, uma sacristia e um campanário adossados. No interior, destacam-se o batistério, o púlpito no lado do Evangelho e o retábulo-mor de talha dourada do estilo nacional.

- Capela de Nossa Senhora do Pranto



Este templo dedicado à padroeira de Cinco Vilas, fifa situado no cimo de um cabeço, a pouco mais de um quilómetro da povoação. A entrada é rematada por um arco perfeito. No  altar, uma moldura de talha dourada envolve uma moldura de fundo verde, à frente da qual está a imagem de Nossa Senhora do Pranto (Pietá), uma imagem do séc. XVIII/XIX


- Capela de S. Julião


A imagem pode conter: planta, árvore, céu e ar livre

Pensa-se que a freguesia se desenvolveu à volta do convento de São Julião. 
A primitiva capela, as ruínas do convento e das antigas muralhas onde residiram os cavaleiros da ordem militar de São Julião do Pereiro e, mais tarde, dos Cavaleiros Templários, encontram-se junto ao actual cemitério da localidade. 
As relíquias, bem como a imagem de Nossa Senhora do Pereiro foram encontradas neste lugar onde se supõe tenham sido enterradas pelos cristãos quando, no ano de 716, os árabes invadiram a Lusitânia.

- Ruínas da ponte sobre o rio Côa 



Esta ponte estava em construção em 1447, como consta nos “capítulos” apresentados pelo concelho de Castelo Rodrigo às cortes desse ano.
Actualmente, dessa ponte apenas restam  três arcos, devido a uma derrocada ocorrida em 1907. 

- Estação arqueológica proto-histórica da Palumbeira


Fonte e fotos da Internet





Obrigada pela sua presença. Volte sempre!