sexta-feira, 2 de março de 2018

Porque É Fim de Semana: Manteigas

Porque é fim de semana, vamos partir à descoberta dum novo concelho, para conhecer mais algumas povoações do nosso querido Portugal.
Vamos agora para o município de Manteigas que é formado por duas freguesias situadas na vila  e mais duas nos arredores.

Vamos então conhecer um pouco desta vila  situada a 700 m de altitude, em pleno Parque Natural da Serra da Estrela, no vale glaciar do rio Zêzere,   sobejamente conhecida pela sua indústria têxtil, pelo queijo da Serra e  pelo turismo.
Embora não se conheça a origem da ocupação humana na região, foram encontrados vestígios de vários povos invasores que atestam que  Manteigas foi fundada após a reconquista do território aos Muçulmanos.
Seguiu-se o povoamento e D. Sancho I, concedeu-lhe foral em 1188. 


Em 1258, nas Inquirições ordenadas por D. Afonso III, Manteigas surge como terras pertencentes à Coroa.
Em 1514, D. Manuel I confirmou-lhe o foral e concedeu-lhe foral novo.
Na reforma administrativa de 1896, o concelho foi extinto sendo anexado ao da Guarda mas, em  1898,  foi restaurado.
Inicialmente,  Manteigas, era formada apenas pela  freguesia de Santa Maria. Actualmente,  existe ainda a freguesia de São Pedro. Anexas à vila existem ainda as freguesias de Sameiro e Vale da Amoreira.
Os padroeiros de Manteigas são Santa Maria e São Pedro.
Do património edificado de Manteigas destaco:


- Igreja de Santa Maria
Esta é a igreja mais antiga da Vila que tem vários altares: o altar-mor, dedicado a Santa Maria Maior;  o altar do Sagrado Coração de Jesus e dois altares da Imaculada Conceição; do lado direito encontram-se os altares de São Sebastião e de Nossa Senhora da Assunção.


- Igreja de São Pedro
Não se conhece a data da construção deste templo , apenas se sabe que é posterior à Igreja de Santa Maria e que na Chancelaria de D. João I (1385-1410), Já se faz referência  ao prior de São Pedro de Manteigas.
A igreja tem uma nave e   planta em cruz latina pouco acentuada. Apresenta    sete altares onde o principal  ocupa quase toda a parede posterior da capela-mor,  dois laterais, em cada lado do arco de divisão da capela-mor; dois altares barrocos que ocupam os braços do transepto, criando duas capelas laterais; e mais dois altares do lado direito: um ao centro, em frente ao púlpito do lado esquerdo, e o outro sob o coro alto. À exceção dos altares do transepto, claramente barrocos, todos os outros datam dos restauros da primeira metade do século XX.


- Igreja da Misericórdia
Construída entre 1685 e 1688,no local onde existia a Capela de São João Baptista (1260).
Formado por uma nave, capela-mor, sacristia e anexos. É um templo muito simples onde se destacam  no interior o púlpito, os retábulos maneiristas e de talha barroca da capela-mor e o retábulo. A torre sineira foi demolida nos anos sessenta do século XX.
   


Existem ainda várias Capelas, como são os casos das Capelas do Senhor do Calvário, de São Lourenço, de São Gabriel,  de Santa Luzia, ...


- Solar da Casa das Obras
As obras de construção deste solar iniciaram-se em 1770 e ficaram concluídas no primeiro quartel do Século XIX. No seu interior destacam-se algumas peças de mobiliário, quadros a óleo dos séculos XVIII e XIX.

Fotos da Net

Obrigada pela sua presença. Volte sempre!

Sem comentários: