quarta-feira, 22 de março de 2017

Vila Franca de Xira I

No passado Sábado, no âmbito das   reuniões mensais, do grupo do qual faço parte com o meu marido,   desloquei-me a Vila Franca de Xira,  para mais um encontro gastronómico-cultural.

Após uma excelente viagem de combóio, recordando   as deslocações que fiz durante os dois anos que leccionei neste concelho, chegámos ao nosso destino.


Ao abandonar o combóio,  uma bela colecção de painéis de azulejos, do Mestre Jorge Colaço, atraiu a minha atenção.
Neles estão  representadas algumas das profissões mais usuais da população desta localidade, ao longo dos tempos.

A escolha desta cidade teve como objectivo aproveitar a época do sável, um peixe do rio que durante o mês de Março é rei da gastronomia vilafranquense. 
Após um excelente repasto, demos início à parte cultural deste encontro.

Visitámos uma exposição de fotografia dos anos 50, um legado do fotógrafo  Carlos Tomé,  ao mesmo tempo que nos eram prestadas informações sobre a história da localidade e seu modo de vida na época


Deambulámos depois, por algumas ruas de Vila Franca a caminho da Igreja  do Mártir  São Sebastião, datada de 1576.


Esta igreja foi mandada construir pelo rei D. Sebastião, cumprindo uma  promessa feita durante a peste   de 1569 
Ao longo dos anos, para além de local de culto, este templo foi utilizado para diversos fins, até que em 1997, a Câmara Municipal procedeu a obras de restauro e adaptou-o a espaço museológico, onde estão patentes alguns objectos encontrados em escavações efectuadas na região.

Antes  da entrada, foi-nos dada uma retrospectiva da história desta localidade  que apesar de ser uma cidade recente, tem uma origem muito antiga. Estas  informações serão alvo do próximo post.


Para além dos achados arqueológicos, pudemos apreciar a arquitectura da igreja, onde se  enfatiza o retábulo da capela-mor e  o tecto em abóbada,  com estuque pintado.
Culturalmente mais ricos, regressámos a nossas casas já a pensar no próximo encontro.

 


              Obrigada pela sua presença. Volte sempre.










Sem comentários: