sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Porque É Fim de Semana: Telhada, Fonte Limpa, Chã de Alvares e Foz de Alvares

Porque é fim de semana, continuamos à descoberta  das aldeias do concelho  de  Góis que  pertencem  à  freguesia  de Alvares.
Hoje vamos visitar mais um grupo de aldeias vizinhas.

Telhada


A Telhada situa-se no limite entre os Concelhos de Góis e Pampilhosa da Serra.
Nesta aldeia desenvolveram-se duas atividades que tiveram grande importância na regiãoa recolha de resina que depois era vendida para a fábrica de Chã de Alvares  e a utilização do barro local no fabrico de telhas.


A Telhada tem como padroeira Nossa Senhora da Boa Viagem e a sua capela foi inaugurada em 1970.



Fonte Limpa

Esta pequena aldeia, praticamente deserta, encontra-se localizada num pequeno vale, virada para Sul, na estrada que liga a Telhada a Chã de Alvares.
Diz-se que a Fonte Limpa foi fundada por dois irmãos com o nome "Campos" que aqui construíram as suas casas.   Tinham vários criados que ajudaram a aldeia  a crescer.
Contam os habitantes desta localidade que  ali existiu uma fábrica de burel. 
Na Fonte Limpa  há uma capela, que foi completamente restaurada em 1982 em honra  de São José.
A primitiva capela terá sido construída pela família Campos, fundadora da povoação.

Chã de Alvares


Casal de Cima
Chã de Alvares é uma aldeia situada a 3 Km da sede de freguesia  e é composta por vários aglomerados: Casal de Santa Margarida, Casal de Diogo Vaz, Casalinho, Tulhas, Rebolo, Covão, Cerejeirinhas, Casal de Cima, Casal de Baixo e Carrasqueira.
Casal de Baixo
Pensa-se que a povoação terá origem na época da ocupação pelos romanos ou pelos Mouros, porque a área era rica em ouro. 
Carrasqueira
Antigamente,  a população de Chã de Alvares foi   bastante activa na região:
Várias padarias forneciam o pão na freguesia,  em Castanheira da Pêra, Pampilhosa da Serra e Álvaro;
Os medronheiros abundavam e produzia-se muita aguardente de medronho;
Existiram duas fábricas  que negociavam e recebiam a resina  produzida na região.  Produziam aguarrás e empregavam muitos dos habitantes da povoação;
O gado, muitas vezes guardado por  crianças, fornecia a lã para as fábricas de produção de burel.
 
No aspecto religioso, esta povoação tem como padroeira Santa Margarida.
A capela inicial terá sido construída no século XV,   pois a  imagem da padroeira é dessa época. Uma bela imagem em pedra policromada e que presentemente está em lugar de destaque no museu de arte sacra em Alvares.
Em 1888, como  a capela estava em ruínas  foi mandada reconstruir. A partir de então, na capela passou a ser celebrada a Missa Dominical evitando que os habitantes da Chã de Alvares se deslocassem   à sede de freguesia.
Entretanto a Capela entrou de novo  em estado de degradação pois não se faziam obras de conservação. Da  ideia de construção dum novo templo religioso  à sua realização foi um passo e em  1962, a nova capela foi solenemente inaugurada e benzida pelo Sr. Bispo Auxiliar de Coimbra, D. Manuel de Jesus Pereira. 
Na Quinta das Tulhas foi construída uma capela particular em honra de Nossa Senhora da Conceição que terá sido benzida em 1915.

Foz de Alvares 

Esta aldeia fica situada a 28 Km da sede de concelho junto à foz da ribeira da  Simantorta, no rio Unhais.

Quem visita a povoação beneficia duma magnífica paisagem onde o verde da serra se mistura  com o azul do céu e  a frescura dos rios.





Obrigada pela sua presença. Volte sempre.











1 comentário:

Elvira Carvalho disse...

Obrigado por mais este belo passeio.
Um abraço e bom fim de semana