sexta-feira, 6 de abril de 2018

Porque É Fim de Semana: Algodres

Porque  é Fim  de Semana, vamos prosseguir na descoberta  das  freguesias  do  concelho de  Fornos de Algodres.
Hoje vamos dedicar-nos à freguesia de Algodres cuja origem é desconhecida. No entanto, foram encontrados   vestígios de vida na região, desde a  pré- história. 
Nas Inquirições de D. Afonso III aparecem várias referências à povoação de Algodres, destacando-se os nomes dos cavaleiros-fidalgos Afonso Fernandes e Mem Pichel, que ali  compraram à coroa, vinhas e casas foreiras. 
Algodres, recebeu a primeira  Carta de Foral de  D. Sancho I, em 1200. Em 1311, a povoação recebeu outro foral de D. Dinis e em 1514, D. Manuel I concedeu-lhe Foral Novo.
A vigairaria de Algodres era do padroado real e foi uma comenda da Ordem de Cristo.   
Na Idade Média, o  concelho era extenso e correspondia ao território ocupado   pelo  actual concelho de Fornos de Algodres. 
Em 1821, a sede do concelho já se tinha transferido para Fornos e Algodres passou a freguesia,  constituída pelos lugares de Algodres, Furtado e Rancozinho.

O seu orago é Santa Maria Maior 



A Igreja de Santa Maria Maior, situa-se no centro da povoação e foi erigida,  no século XII.
Este  templo foi alvo de  várias obras ao longo dos tempos, pelo que obedece a vários estilos arquitectónicos, consoante a época em que  foram executadas. 
A fachada principal termina em frontão interrompido. Sobre este, ergue-se o campanário rematado por três pináculos. A torre, foi construída em 1777.

Tem planta longitudinal com uma só nave, capela-mor mais estreita e sacristia adossada à lateral direita.
O arco triunfal é ladeado por retábulos do início do séc. XVIII. A capela-mor é marcada pelo retábulo de talha dourada traçado maneirista com telas representando santos e pela imagem da padroeira que se pensa datar do século XIII.
Este templo foi classificado como Imóvel de Interesse Público. 
Existem na povoação outros templos religiosos dos quais destaco alguns:

- Igreja da Misericórdia



Foi fundada em 1621 e tem   arquitectura barroca. 
Tem planta longitudinal formada de nave e capela-mor. No interior destacam-se o arco triunfal de volta perfeita, os retábulos colaterais, de talha policroma rococó e o retábulo de talha dourada de estilo joanino da Capela-Mor.

- Capela de Nossa Senhora das Dores



Esta Capela situa-se à entrada da aldeia e para além da Capela tem ainda  um Calvário, com vários Passos e cruzes, que correspondem às paragens durante a procissão da Paixão. 
A capela tem planta longitudinal simples de nave única, antecedida por um alpendre aberto
No interior destaca-se o retábulo-mor neoclássico.
O calvário é composto por três cruzes assentes numa plataforma quadrangular, com plintos paralelepipédicos e, no cimo, cruzes latinas.

- Capela de Nossa Senhora do Campo



Esta Capela que data do século XVIII, tem planta longitudinal formada  por uma só nave antecedida por um alpendre aberto. No interior, destaque vai para um retábulo de talha barroca e, no exterior, para a sineira.


- Capela da Santa Bárbara



Situada no alto do monte da Santa Bárbara, a capela é ladeada por um adro, donde se pode desfrutar duma magnífica paisagem.

- Capela de Nossa Senhora da Saúde



Esta Capela fica situada num dos extremos da povoação.

Do Património não religioso, destaco:  

- O Pelourinho



Edificado no século XVI, localiza-se no meio da praça, junto à Igreja Matriz
Está classificado como Imóvel de Interesse Publico .

- Solar da Família Camelo Forte 




Solar que  pertenceu à família Camelo Fortes, até 1871, data em que faleceu  a última representante da família, D. Josefa Camelo Forte, passando os bens  para a família Falcão de Tondela.
Tem duas janelas de avental do século XVII. 

- Paços do concelho de Algodres


Este edifício onde funcionaram os antigos  Paços do Concelho, Tribunal e Cadeia,  terá sucedido ao  primitivo situado na Praça. Mais tarde, foi usado , por algum tempo, como solar da família Osório de Castro, como comprova   o brasão que hoje ostenta.

- Património Arqueológico 


Em Algodres foram encontrados vários vestígios arqueológicos dos quais destaco:
. Estela de cabeceira de sepultura, circular com uma cruz em alto relevo; 
. Lagaretas ( tanques) escavadas na rocha que se pensa serem  lagares, utilizados na produção de azeite ou de vinho; 
. Fragmentos de cerâmica de construção;
. Ara Votiva na capela de S. Clemente na aldeia do Furtado.


Fonte: Wikipédia e blogues de Algodres

Obrigada pela sua presença. Volte sempre!




Sem comentários: