quinta-feira, 12 de abril de 2018

Coimbra-Mosteiro de Santa Cruz

Hoje vamos iniciar uma descoberta pelos principais monumentos da cidade de Coimbra.
Começamos pelo  Mosteiro de Santa Cruz.
Fundado em 1131, no exterior das muralhas de Coimbra, sob o patrocínio de D. Afonso Henriques,   foi entregue à Ordem de Santo Agostinho.
D. Afonso Henriques e seu filho D. Sancho I escolheram o Mosteiro para ali serem sepultados.


Santa Cruz foi berço dos primeiros estudos medievais em Portugal, tendo como um dos estudantes mais ilustres, Santo António, que ali aprofundou os seus estudos teológicos.
Nos séculos seguintes, Santa Cruz tornou-se num reputado centro cultural e intelectual do reino.
Do templo original, de estilo românico, já pouco resta, pois ao longo dos anos, as obras de que foi alvo, alteraram grande parte da sua arquitectura primitiva.


As principais foram realizadas durante o reinado de D. Manuel I. 
No interior do templo, a nave única e a capela-mor foram recobertas por uma abóbada manuelina de grande qualidade. Por volta de 1530, foi construído um coro-alto, sobre a entrada.  Foi também instalado, na capela-mor, um magnífico cadeiral, um dos raros da época manuelina ainda existentes no país.



Merecem igual destaque a construção dos túmulos reais, em estilo renascentista, na capela-mor da igreja, hoje Panteão Nacional.
No século XVIII instalou-se um novo órgão, em estilo barroco e as paredes da nave foram revestidos de azulejos azuis e brancos representando  passagens bíblicas.
A fachada do mosteiro foi ricamente decorada com duas colunas e elementos românicos, do século XVI.
A sacristia é do século XVII, com destaque para pinturas de Grão Vasco e Cristóvão de Figueiredo.

Nas traseiras, localizam-se:

- O Claustro do Silêncio



De estilo manuelino data do século XVI, e inclui quatro baixos-relevos, com cenas da Paixão.

- O Claustro da Manga


Situado no meio dum dos claustros do Mosteiro de Santa Cruz,  é uma  bela construção, outrora conhecida por Fonte da Manga.


Obrigada pela sua presença. Volte sempre!



Sem comentários: