quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Vento

- Vale do Alva -

Vento
Vem do vale esse vento
Inchando de tanta vida
Traz cheiros de água e mato
Sons misturados de pios
Algazarras de quintais.
Tudo vem difuso e vago
É só o vento e seu manto
Desalinhando memórias
Roçando saudade em sono
Bulindo hastes rosadas
No mar de capim melado


E o frio é um acorde fino
De violino
Arrepiando as pernas da minha infância.




Carmen Felicetti
 
Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

1 comentário:

Ana Martins disse...

Que lindo Lourdes,
saio deliciada com este poema, grata pela partilha!

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas