terça-feira, 16 de maio de 2017

Santillana del Mar - Grutas de Altamira

Continuando a viagem a caminho dos Picos da Europa, uma nova paragem se impunha: Santillana del Mar.


Não se conhece a origem da povoação mas sabe-se que, no século IX, já ali existia  o Mosteiro de Santa Juliana. No século XII, deu lugar à colegiata de Santa Juliana, que se tornou um importante centro de peregrinação.

A aldeia foi crescendo à sua volta e, aos poucos, transformou-se num grande polo turístico da região.

Percorrendo as  suas ruas típicas empedradas, saltam à vista as inúmeras lojas de artesanato e toda a espécie de comércio de produtos endógenos. 

Também não  se consegue ficar indiferente à beleza  das suas janelas e varandas  repletas de   flores, que dão um alegre colorido à aldeia, tornando-a ainda mais bonita.


São frequentes as casas com brasões esculpidos nas suas fachadas, testemunhos dum passado, em que a povoação era habitada por gente da nobreza.

De entre os vários edifícios importantes de Santillana del Mar, destaco ainda:

- Torre de Don Borja


O  edifício fica situado na antiga praça do Mercado e o seu nome deve-se a Don Borja-Barredo.


- Museu Diocesano Regina Coeli 


O Museu Diocesano funciona no antigo convento das Cclarissas e contém uma vasta colecção de obras de arte sacra.
Esta pitoresca  aldeia  foi declarada conjunto histórico - artístico  em 1889 e é uma das mais visitadas da região da Cantábria, devido ao seu aspecto medieval e à proximidade das famosas grutas de Altamira.


As grutas, consideradas a "Capela Sixtina" da Arte Rupestre, contém as pinturas rupestres por muitos consideradas as mais famosas do mundo. 
Foram descobertas em  1868, por um caçador local, de nome Modesto Cubillas. Estavam de tal maneira bem conservadas que muitos  desconfiavam da sua antiguidade. 


Após a descoberta das grutas, em 1868, os visitantes afluíram em grande número e, após algum tempo,as gravuras começaram a deteriorar-se. Para protecção deste famoso legado, o governo encerrou-a totalmente, em 1979. Actualmente, as grutas estão abertas ao público, uma vez por semana, de forma controlada e, em 2001, foi construída uma réplica para visitas sem condicionamentos.




 Obrigada pela sua presença. Volte sempre.



Sem comentários: