segunda-feira, 20 de junho de 2011

Pomares



Tal como prometi no último "post", o Açor vai passar  a  semana numa visita virtual por Pomares, a sede de freguesia a que pertence a minha aldeia.
Antes de iniciar a visita, impõem-se algumas informações sobre a história desta aldeia.
Poucos são os dados  que conhecemos mas sabe-se que a região onde se encontra esteve integrada nos coutos dos bispos de Coimbra.


Pomares
 
 
Pertenceu ao antigo concelho de Avô, daí ser conhecida durante muito tempo por Pomares de Avô. Em 24 de Outubro de 1855, o concelho  foi extinto e Pomares passou a fazer parte do concelho de Arganil.
Os Madeira da Costa, de Avô, estabeleceram um morgadio em Pomares e alguns dos detentores do vínculo foram capitães-mores daquela vila.
A última  representante, D. Maria Manuela de Brito e Castro casou com Luís Maria de Carvalho Daun e Lorena. Em 1886 o rei D. Luís I concedeu-lhe o título de marqueses de Pomares.
A povoação, estrategicamente situada num vale da serra do Açor, possui  habitações e arruamentos do século XVI.  
 
Pomares

A sua igreja matriz, em honra de Santa Luzia, apresenta também alguns pormenores que demonstram a sua antiguidade.
Do século XVIII, existe em Pomares uma ponte sobre o rio Moura, um cruzeiro e alminhas que lhe ficam contíguas.


Fonte: Concelho de Arganil - História de Arte de Regina Anacleto


Obrigada pela sua visita. Volte sempre.



3 comentários:

Artes e escritas disse...

Faço um turismo virtual lendo os seus textos e vendo as fotografias. Um abraço, Yayá.

Joana Neves disse...

Olá amiga do meu coração!
Estava com muitas saudadinhas suas... E por isso passei para deixar um miminho para vc:
http://dl.dropbox.com/u/2444571/Meu%20Blog/Mimos/Friends.gif
e não esqueça, que mesmo que eu esteja mais ausente, vc está sempre no meu coração!

Continuação de uma linda semana!
Um bjinho grande, Joana Neves

http://joana-neves.blogspot.com

Anónimo disse...

Parabens pela belissima descrição que faz sobre Pomares é uma linda Freguesia e nunca será demais falar dela.
Boa tarde e bom trabalho

António Assunção