quarta-feira, 12 de maio de 2010

Fátima em Poesia


Mais um dia acompanhando a visita papal através da comunicação social deambulando pela internet. Foi aqui que encontrei o soneto que  transcrevo a seguir e que achei oportuno.


Fátima

Acendemos as velas da penitência
Que ardem no meio das chamas
Acalmando a nossa consciência
Tanto sofrimento; tantos dramas

O sofrimento esbate a clarividência
Por um milagre esperas e clamas
Perdida a esperança na ciência
Resta a fé e Deus que tanto amas…

E se milagres da fé, na fé se derem
Coxos a correrem e os cegos a verem
Logo ali prometemos voltar…

Pisaremos descalços com um sorriso
Estradas, caminhos… o que for preciso
E regressamos a Fátima para rezar


Rogério Martins Simões




Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

2 comentários:

Manuela disse...

Amiga Lourdes, que lindo poema, gosto muito de Fátima e acho que é um lugar de muita Paz.
Quando lá estou nunca me apetece sair de lá.
Venho visitá-la e dizer que não a esqueci, mas ultimamente tenho tido muito pouco tempo, quando arranjo algum vou visitar os amigos e você faz parte deles.
Tenha uma boa noite e que Nossa Senhora a abençôe.
Bj
Manuela

poetaeusou . . . disse...

*
Fátima.
qual o segredo ?
,
conchinhas,
,
*