segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Poema duma Macieira

Se não levarmos a poesia e a beleza connosco, é inútil percorrermos o mundo. Em nenhum lugar as encontraremos.
(Emerson)

§§§§§------§§§§§
Ao dar uma olhadela pelas minhas fotos deparei com uma, que me trouxe à lembrança um poema dum dos meus escritores preferidos, também ele um apaixonado pela nossa serra do Açor.



Este é o poema duma macieira.
Quem quiser lê-lo,
Quem quiser vê-lo,
Venha olhá-lo daqui a tarde inteira.
Floriu assim pela primeira vez.
Deu-lhe um sol de noivado,
E toda a virgindade se desfez
Neste lirismo fecundado.
São dois braços abertos de brancura;
Mas em redor
Não há coisa mais pura,
Nem promessa maior.
Miguel Torga

Sem comentários: