sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Porque é fim de semana: Folgosinho

Porque é fim de semana, vamos prosseguir na descoberta das localidades do concelho de Gouveia e seguimos para a freguesia de Folgosinho.
Situada num local de difícil acesso, nasceu uma povoação entre o Castelo e o Outeiro, onde se pensa terem existido dois castros pré-romanos.
Os romanos deixaram na povoação, diversos testemunhos da sua passagem, como é exemplo a Calçada dos Galhardos.

Esta pequena vila de casas simples e tradicionais, muitas delas com as fachadas decoradas com painéis de azulejos com quadras populares , advoga para si a naturalidade de Viriato.
Na altura  da Reconquista cristã , D. Sancho I concedeu-lhe carta de foral em 1187. D. Afonso II confirmou o foral em 1217 e acredita-se que D. Dinis também o tenha feito durante o seu reinado.
Em 1512, D. Manuel I concedeu-lhe Foral Novo.
Em 1836, a reformulação administrativa do reino extinguiu o concelho de Folgosinho, passando a freguesia  a integrar o de Gouveia.
Na vila, encontram-se várias marcas judaicas e cruciformes que atestam a presença daquele povo, nesta localidade.


O orago da povoação é  São Pedro
A sua igreja Matriz a paróquia era vigararia e comenda da Ordem de Cristo, que andava na Casa dos Viscondes de Vila Nova da Cerveira. Foram donatários os Marqueses de Arronches e depois os Duques de Lafões.

Para além da Igreja Matriz, em Folgosinho existe um património relevante dos quais destaco:

- Capela de São Faustino


Situada no Largo José Fernandes este templo religioso data do século XVI e foi restaurada em 2006.

- Capela de Nossa Senhora do Assedasse


Esta capela românica datada do século XII é dedicada a Santa Mãe de Deus sob a invocação de Nossa Senhora do Assedasse e está situada no vale do Mondego, perto do Covão da Ponte.

- Capela de São Tiago


- Castelo


O Castelo é o ex-libris de Folgosinho e a crença popular atribui a  sua fundação é a Viriato. No entanto, o castelo primitivo terá sido construído no século XII, durante o reinado de Dom Sancho I, sobre ruínas de um castro lusitano.
Foi reconstruído no século XX, onde subsistem vestígios da fortificação medieval.
Em 1936, foi classificado como Imóvel de Interesse Público constituindo uma das maiores  atracções da vila.

- O Pelourinho


O Pelourinho original foi destruído em 1864, sendo reconstituído no mesmo local,  em 1937, por iniciativa da Junta de Freguesia de Melo.
Pelourinho do tipo pinha cónica, construído no local onde existira um antigo pelourinho.

- Calçada Romana

- Vestígios de judiaria


- Fonte do Pedrão


- Fonte do Gorgulhão


- Fonte dos Limos Verdes




Obrigada pela sua presença. Volte sempre.



Sem comentários: