segunda-feira, 30 de maio de 2011

Esta Lisboa Que Eu Amo

 
Photobucket



Hoje vamos até à capital do meu país, Lisboa. 
Lisboa é a minha cidade, onde nasci e  vivi  mais de trinta anos e onde me desloco regularmente. Com bom ou mau tempo, esta é uma cidade que me deslumbra e onde descubro sempre mais belezas de cada vez que a visito.
O "post" de hoje refere-se ao  Rossio, uma das praças mais bonitas de Lisboa. 

Photobucket




As pessoas passam por aqui todos os dias, apressando-se para irem trabalhar e raramente reparam na beleza do que têm à sua volta. Não é apenas a beleza dos seus monumentos e das suas fontes, ou a sua fascinante história... o Rossio é um livro vivo.

Photobucket


Recentemente renovado, não perdeu contudo o seu misticismo... Sinta-o no Teatro Nacional D. Maria II, onde muitas peças foram, e são, representadas e vistas por reis e rainhas, nas fontes usadas no início de Outubro para baptizar os caloiros acabadinhos de entrar na universidade, nos cafés em tempos frequentados por personalidades portuguesas - e... sim... nas castanhas assadas que já se vendem na Praça do Rossio há muitos, muitos anos.

Photobucket

No meio da praça está uma estátua de D. Pedro IV e a seus pés quatro figuras femininas representam a Justiça, a Sabedoria, a Força e a Temperança, qualidades atribuídas a D. Pedro.
A praça, ao início conhecida como 'Praça D. Pedro IV', ficou conhecida como Rossio entre os habitantes locais e continua a ser um ponto de encontro tradicional não só para os lisboetas, como também para todos os que visitam Lisboa. 

Photobucket

Em estilo neo-manuelino, a estação de comboios do Rossio é um incrível monumento, que se situa entre a Praça do Rossio e os Restauradores e foi desenhada pelo arquitecto José Luís Monteiro. As oito portas combinam com as nove janelas e com o relógio incrivelmente decorado, situado no cimo da fachada.

A estação do Rossio é curiosa, na medida em que as plataformas de embarque se encontram a cerca de 30 metros acima da entrada principal. Daqui partem comboios para a encantadora região de Sintra, passando por Queluz.

Construída em 1886/87, esta estação foi recentemente renovada. A plataforma de embarque está agora ligada ao Metro e conta com um dos mais magníficos trabalhos: olhe para o tecto e deslumbre-se! Faça questão de visitar a estação do Rossio. Tenho certeza que não se arrependerá.





Fonte: http://www.strawberryworld-lisbon.com

Obrigada pela sua visita. Volte sempre.



7 comentários:

Maria Teresa disse...

Lourdes:
Foi muito prazeroso passear pelo Rossio, matando a saudade. Já estive por lá algumas vezes (minha sogra era portuguesa e muito nos alegra poder visitar sua terra natal, sempre que possível) e agora revivi bons momentos, sentindo até o delicioso cheiro das castanhas...
Beijos

Artes e escritas disse...

Tive um belo passeio virtual com esse seu texto. felicidades. Yayá.

Duh Franzen disse...

Oi Lourdes
Lindo texto, belas imagens...gostei de conhecer um pouco mais sobre Lisboa, afinal Portugal faz parte da história do Brasil.
Bjinhos

alfacinha disse...

Lisboa não pára, as últimas três décadas vi Lisboa ressurgir de um sono de chumbo e, hoje em dia, esta metrópole internacional brilha como uma verdadeira cidade mundial. Pessoalmente, sinto pena que não seja uma alfacinha de gema. Cumprimentos de Antuérpia

Fernanda disse...

Amiga Lourdes,

Estive recentemente aí e percorri justamente esta área. Sem dúvida uma das mais belas do mundo.

Beijinhos

Mariazita disse...

Boa tarde, Lourdes
Nunca é demais realçar e apregoar as belezas imensas da nossa linda capital.
Uma coisa que para mim tem um sabor muito especial é sentar numa esplanada do Rossio, bebndo um cafezinho ou tomando um lanche e apreciando o movimento.
Adoro fazer isso, principalmente depois de ter andado um tempinho às compras. É tão repousante!
Gostei muito desta postagem.

Boa semana. Beijinhos

João Celorico disse...

Olá, Lourdes!
É realmente uma bonita praça mas não posso esquecer o quâo bonita ela era!
Ainda não havia o turismo, de hoje, mas era ponto de encontro de meia Lisboa. Durante o dia a azáfama das pessoas que trabalhavam na Baixa e aqueles que iam às compras. As fontes sempre a correr, quer de dia quer de noite. A praça de táxis, com o artístico fontenário onde havia um púcaro pendurado; os eléctricos que ali faziam a circulação; o "placard" do Diário de Notícias onde, ao domingo à tarde, toda a gente parava para saber as notícias, principalmente os resultados da bola e, melhor que tudo, os reclames luminosos, no cimo dos prédios, a acender e a apagar dando um aspecto festivo a cada noite que ali passava. No Verão, os passeios nocturnos à Baixa, eram uma maravilha.
Já agora, como informação, se é que o não sabe, a estátua do D. Pedro IV, não é do D. Pedro IV, é do imperador do México, Maximiliano, segundo me parece. Acontece que os mexicanos correram com ele e a estátua, feita cá, já não seguiu. O D. Pedro IV, foi a solução. Olhando cá de baixo, ninguém nota...

Abraço,
João Celorico