quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O Alva 3

Na última postagem sobre o  rio Alva, ficámos no Sarzedo.  Vamos agora acompanhar o rio na sua travessia por novas povoações, descobrindo outras paisagens, a caminho do seu encontro com o Mondego. 
Começamos por passar no Maladão, onde  o seu caudal começa a engrossar devido à construção da barragem das Fronhas. Esta barragem concluída em 1985, para além de regularizar o caudal do rio, permitiu a chegada de água a povoações afastados do seu leito inicial e tornou-o num local propício para a  pesca, onde são abundantes os barbos, bogas e achigãs.
Barragem das Fronhas (Foto do blog de Moura Morta)
Passada a albufeira da barragem, o Alva continua calmamente o seu percurso formando peculiares meandros e banhando as   localidades de Moura Morta e  Ponte de Mucela, passando a servir agora de fronteira entre os concelhos de Arganil e Vila Nova de Poiares.

Ponte da Mucela (Foto do blog da Moura Morta)
Por fim, entra  no concelho de Penacova,  onde calmamente prepara o seu encontro com o Mondego junto à povoação de Porto de Raiva.
Foz do Alva, junto ao Porto da Raiva ( Foto de: http://coico.blogs.sapo.pt)
Este é um rio peculiar. Nasce  a grande altitude na serra da Estrela,  deu origem à primeira central hidroelétrica portuguesa e, após uma descida abrupta, segue o seu percurso sem grandes quebras, envolto em magníficas e pitorescas paisagens. Em muitas localidades deu origem a bem apetrechados parques de campismo e excelentes praias fluviais. É propício para a prática de desportos fluviais como são os casos da canoagem e da pesca.  
Por tudo isto, um passeio ao longo do seu percurso, será inesquecível para os amantes da natureza.




Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

Sem comentários: