sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Porque É Fim de Semana: União das Freguesias de Cepos e Teixeira

Porque é fim de semana, vamos conhecer mais uma freguesia da serra do Açor. Desta vez será a União das Freguesias de Cepos e Teixeira, recentemente formada a partir de duas antigas freguesias independentes.
Vamos iniciar este périplo pelas aldeias que a formam, com a atual sede: Cepos.



A aldeia dos Cepos fica situada bem próxima dos concelhos de Góis e da Pampilhosa da Serra, mas pertence ainda ao concelho de Arganil. É uma povoação muito antiga pois consta que já existia  no tempo dos romanos.
Em 1237,  recebeu carta de Foro dada pelo prior do Convento de Arganil ( Mosteiro de Folques).

Transcrição da Carta de Foral de Cepos,  de  http://cepos-um-povo.blogs.sapo.pt

CARTA FORAL DE CEPOS “Cepo” ano 1237
Transcrição em conformidade

Em nome de Deus e com o seu auxilio. Saibam todos assim presentes como futuros, que nós, o prior P. Fernandes e o convento do Mosteiro de S. Pedro de Arganil, fazemos esta carta de doação e firmeza a vós aos vossos descendentes toda essa herdade de Cepo com todos os seus terrenos cultivados e não cultivados; em primeiro lugar como se divide a dita herdade de Cepo por um lado pela veia de agua do rio Ceira e por lado com limite de Celavisa pela veia de agua de Adela, e por outro lado com o cimo de Bagunhos, seguindo a divisória que se estende por Carvalhal de Vacas e divide o mosteiro com terras do Senhor Bispo de Coimbra até as aguas do rio Ceira.
Damos a dita herdade a vós e aos vossos descendentes para que nela planteis, edifiqueis, trabalheis e façais tudo o que quiserdes como bons povoadores. Mas concedemos a vós a dita herdade com a condição de dar dela, como foro, ao nosso Mosteiro, duas decimas de pão, linho e legumes. E aquele que tiver vinha em Cepo, a saber, nessa nossa herdade já mencionada, dê dela uma decima a Deus: E, quando a vinha tiver quatro anos depois que foi plantada, o homem dê dela uma quarta parte de vinho pela medida de Arganil.
O habitante de Cepo que matar homem ou roubar qualquer donzela violentar qualquer mulher ou puser excremento na boca, pague 10 morabintinos. Quem fizer ferida com ferro moído pague 5 morabintinos. Do homem sentenciado 60 sólidos. Do sangue de cima dos olhos 60 sólidos. De viagem levando armas, se não tiver desafiado o seu inimigo, 60 sólidos. De casa arrombada ou que se entrou por força, 60 sólidos. Coima arrombada, 65 sólidos. Se habitantes de Cepo saírem em perseguição de ladrão ou outro homem ou de algum estranho que lhes fizer força, se o matarem, paguem 5 morabintinos. Habitante de Cepo que não quiser ir com os seus vizinhos em perseguição de ladrão ou outro homem que quiser fazer força na vila, pague 10 sólidos. Habitantes de Cepo não paguem expressões nem outras calunias, a não ser as já mencionadas. E quando a estas, devem ser provadas por pessoas de bem.
Se alguém quer morar em Cepo, praticar furto e não quiser declara-lo, dê o próprio furto àquele aquém se furtou e pague um morabintino. Se, porem quiser nega-lo ou o mesmo furto for encontrado na casa dele e for testemunhado por pessoas de bem, pagá-lo-á como é uso em outras terras e outras vilas.
Se habitante de Cepo quiser mudar-se para outras partes vendam ou doem a sua pertença àquele homem que pague esse foro em paz: E se marcar tal preço que não valha aquilo que quiser vender, dêem-lhe por aquilo quanto acharem por bem pessoas de bem da mesma vila. E para que povoeis melhor dita herdade e a nossa vila de Cepo, estabelecemos e firmamos entre nós e vós que em qualquer mês seja cantada por um irmão nosso ou capelão missa por vós. E que se celebre por todo o ano para vós mistério da Santa Igreja, a saber: Insuflar, Baptizar crianças, Visitar enfermos, e Sepultar mortos. Nós o Prior e o Convento do Mosteiro de Arganil, que mandamos fazer esta carta a vós, habitantes de Cepo e aos vossos descendentes, firmamo-la com nossas mãos para que ninguém de nós ou dos estranhos possa vir contra este nosso facto: E aquele que quiser vir contra esta nossa carta, seja maldito e excomungado e condenado para o inferno com o traidor Judas. E aquele que fizer bem a vós e aos vossos descendentes ou lucrar para vós por esse foro e por esta carta, viva em paz neste século e no outro tenha descanso eterno.
Fez-se esta carta no mês Outubro. Era MCCXXXVII Reinando em Portugal Senhor Rei Sancho.
Os que viram e ouviram são estes: em primeiro lugar Martinho João, Cónego sacerdote-testemunha; Menedo Cordano, Cónego sacerdote-testemunha; Senhor André, Cónego sacerdote-testemunha; Pedro Menedo e Pedro de Pedro Martinho Afonso, irmãos conversas-testemunhas; e muitos outros Clérigos e leigos que não podemos enumerar.
Pedro Menedo, Cónego diácono, a escreveu.



Cepos tem como padroeiro S. Sebastião que, durante muitos anos , deu nome à aldeia que era conhecida por S. Sebastião de Cepos.
Bem perto passa o rio Ceira, que permite aos seus habitantes e turistas excelentes momentos de lazer, desfrutando do ambiente aprazível, calmo e puro da serra.


Fotos da Net

Obrigada pela sua visita. Volte sempre.



Sem comentários: