quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Termos Regionais

O dia amanheceu  com  Sol maravilhoso mas muito frio. Aos poucos o céu escureceu e, sem vontade de sair de casa, acabei por ficar no Facebook a trocar mensagens com amigos da minha aldeia e de aldeias vizinhas, que se foram juntando durante o  desenrolar da conversa. A língua portuguesa é muito rica e, para o mesmo objeto aparecem vários vocábulos conforme a região. Mesmo em localidades vizinhas, aparecem  palavras diferentes. 
Daquela conversa, surgiu a ideia de se fazer um dicionário de termos próprios de cada região para um determinado objeto. Gostaria de tornar este tema um pouco mais abrangente e, como  o Açor  também é lido por amigos do Brasil,  seria ainda mais enriquecedor se  também pudesse alargar o tema ao português do Brasil.
Se resultar, penso abrir um novo blog, destinado a este assunto.
Hoje começo com um dos animais mais importantes das povoações da serra do Açor. O porco.

 
Photobucket  
 
Só este animal trouxe-me à lembrança várias palavras algumas em desuso.
Na minha aldeia, o Sobral Magro, ao porco chamavam-lhe bácoro. No entanto de região em região o animal muda de nome.
Porco, bácoro, corrucho, , marrã, suíno, todas as palavras se referem a este  mesmo animal.
Todas as famílias tinham um ou dois que compravam na feira ainda pequenos. Eram alimentados e engordados durante o ano num curral, onde o chão era periodicamente coberto com mato, evitando assim o contacto do animal com os dejectos. Alguns currais tinham à porta um átrio também ele coberto de mato a que se dava o nome de quintã e onde o animal se podia deslocar ao ar livre. A mistura que se formava sobre o solo, ia-se decompondo e, ao fim de alguns tempos era retirada do curral, para acabar a sua decomposição ao ar livre formando o esterco que era  aproveitado depois para adubar as terras de cultivo. Em outros locais do país os porcos viviam em pocilgas e noutras ao ar livre.
Quase todas as sobras eram aproveitadas para a sua alimentação e juntavam-se com água para fazer a lavagem que era cozinhada à lareira, num caldeiro.
Normalmente a lavagem era composta também por farinha, botelha partida em pedaços, batatas, folhas de hortaliça,... O animal comia de tudo.
A lavagem era transportada  no mesmo caldeiro ou, como ele estava todo enfarruscado da lareira, despejava-se numa ferrada e levava-se então para o curral dos porcos onde se colocava numa pia de granito ou de madeira.
O porco é um animal muito mexido e frequentemente abriam brechas nas paredes do curral com o focinho e revoltavam o mato todo. Para evitar que tal acontecesse era-lhe colocado um arganel no nariz (uma espécie de argola metálica presa nas narinas) e, quando ele esfoçasse sentia dores, levando-o a tornar-se mais calmo.
Algumas das palavras que utilizei são termos usados na minha aldeia mas, a língua portuguesa é tão rica que, a poucos quilómetros de distância, o nome de determinado objecto tem outro significado e o objecto tem outro nome. Vejamos só em algumas palavras relacionadas com o porco:

Porco é o nome mais conhecido do animal. Mas, pode chamar-se também:  bácoro, corrucho, tó, marrã, suíno,... conforme a zona do país.
Botelha é uma  abóbora.
Esterco - estrume

Lavagem é o nome dado, na minha aldeia, à mistura de alimentos que se cozinham para a alimentação do porco. Poucos quilómetros ao lado chamam-lhe vianda mas na região do Sardoal chama-se também lavadura.

- Caldeiro -

O caldeiro é um recipiente cilíndrico onde, se cozinha a lavagem mas, numa povoação bem próxima, utiliza-se o mesmo objecto para ordenhar as vacas lá para dentro e tem o nome de ferrada.
Por sua vez, a ferrada na minha aldeia é um recipiente diferente e é também utilizado para transportar os alimentos para os porcos.


- O mesmo recipiente usado em pomares com o nome de ferrada -

Espero agora  mais algumas designações, usadas noutras regiões, para estas palavras.

 Obrigada pela sua visita. Volte sempre.


6 comentários:

Anónimo disse...

Chamem-lhe o que quizerem para mim Porco é PORCO.

Voz do Goulinho
ALA Poemas

alfacinha disse...

Uma curiosidade .Há pessoas na Bélgica que têm com apelido "Sus" o que significa porco em latino.
cumprimentos de Antuérpia

João Celorico disse...

Olá, Lourdes!

Pois, na minha terra porco também é porco mas, lá temos o "bácoro", o "cochino" que na linguagem popular é "cotchino" e vem do castelhano e o "marrano".
O "caldeiro" ou a "caldeireta" utiliza-se mais para tirar água dos poços e tem um formato mais baixo e de fundo côncavo
Cada terra com seu uso...

Abraço,
João Celorico

Luis Filipe Gomes disse...

Para o animal ainda conheço o termo "reco" e "berrão" que se usam para os lados de Tábua e oliveira do Hospital mas também o nome "cevado". A lavagem é também o termo aplicado à essa verdadeira sopa que se cozinhava nas panelas de ferro destinadas não só aos porcos mas também por vezes às ovelhas e cabras de forma a que o leite sobrásse das crias para o queijo.
O escrupulo higiénico desta sopa era identico ao que se teria para as pessoas da casa as chamadas sobras eram os talos das aparas de hortaliça cascas de nabo, batatas abóboras e cenouras, tudo era lavado, e o que nós não gostássemos de comer cru também não era dado cru ao porco. Mas dava-se crua a fruta pequena e a que caía no chão.

Luis Antunes disse...

Pois é
O Porco BÁcoro Suino Etc etc alimentado com as sobras das comidas que se faziam para familia, pertence ao passado
Hoje temos o porco alimentado a ração de engorda rápida e sem o mesmo gosto da carne que nos dava antigamente.
Tudo muda até o Sr Porco já tem outras formas de viver

Flora Maria disse...

Tendo nascido em cidade grande, só conheço mesmo o nome porco.
Mas já ouvi também o termo bacorinho.

Interessante e enriquecedora essa postagem.

Beijo