segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Homenagem à Minha Mãe

Não estive na aldeia para prestar homenagem à minha falecida mãe, como era meu desejo. No entanto, vou usar um poema da poetisa açoriana  Natália Correia, para o fazer aqui n' O Açor. Para  ilustrar vou usar um quadro que pintei, após a minha viagem à ilha de S. Miguel, com as flores que deram o nome à minha mãe, as hortenses.


Mãe infusa
Ainda estão por dizer
as púdicas confidências
do tempo em que era possível
ouvir as hortênsias.
 
No quintal de incontinente
o maracujá enlanguescia
e pedra a pedra se reconstruía
a casa infinitamente.
 
Teu rosto ainda não vagueava
na noite fria do retrato.
Em que desmemoriada candeia
derramaste oh mãe o azeite intacto?
 
Dispunhas as jóias do inverno
para a festa cálida do verão.
Por certo alguma levaste
passando-a ao fisco da morte
para que uma pérola te assinalasse
no caso que o vento espalhasse
o pólen da tua mão.
 
Eis-te todavia sem ossos
mas mais do que nunca infusa
em teu ovular desvelo
e eu carnalmente intrusa
pressinto que para tocar-te
enfermo de longos cabelos.



Photobucket
Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

1 comentário:

Maria Teresa disse...

Lourdes:
Lindo poema para tão linda homenagem.
Quer dizer que você é artista em vários caminhos? Linda paisagem também, a das hortênsias.
Beijos