segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Poema em Noite de Super Lua

Em noite de super Lua, a maior desde 1948, eis um poema de Alberto Caeiro/Fernando Pessoa.



O Luar quando Bate na Relva

O luar quando bate na relva
Não sei que cousa me lembra...
Lembra-me a voz da criada velha
Contando-me contos de fadas.
E de como Nossa Senhora vestida de mendiga
Andava à noite nas estradas
Socorrendo as crianças maltratadas ...
Se eu já não posso crer que isso é verdade,
Para que bate o luar na relva?

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XIX"
Heterónimo de Fernando Pessoa


Obrigada pela sua presença. Volte sempre.





Sem comentários: