terça-feira, 22 de novembro de 2016

Convento da Arrábida


Em 1539, D. João de Lencastre, 1º duque de Aveiro foi em   peregrinação a Nossa Senhora de Guadalupe, onde conheceu Frei Martinho de Santa Maria, um frade franciscano  que lhe manifestou o desejo de se tornar ermita. O nobre português, senhor das terras da Arrábida falou-lhe deste local e, assim  o frade castelhano para ali se dirigiu. 
De tal forma ficou maravilhado com o local, que o Duque de Aveiro lhe ofereceu uma pequena ermida ali existente bem como os terrenos circundantes, onde ele se estabeleceu juntamente com um outro monge que o acompanhara.
Outros frades se lhes seguiram e, em 1542, a ermida passou a Convento.
D. Jorge de Lencastre filho do primeiro duque de Aveiro e outros que se lhe seguiram continuaram as obras no Convento.
Em 1834, foram extintas as Ordens Religiosas e os monges foram expulsos. 
Em 1863, o duque de Palmela adquiriu o Convento e procedeu a várias obras de reparação.
Mais tarde, o convento foi comprado pela Fundação Oriente, que continuou as  obras de restauro , permitindo que o local fosse aberto ao público para visitas e para a   realização de vários trabalhos académicos e científicos.

 

As fotos que se seguem mostram alguns locais do Convento. 

Entrada para o jardim de buxos, designado de S. Pedro de Alcântara. 


Entrada da igreja, tendo do lado esquerdo  a figura do fundador do convento Frei Martinho.
O interior da igreja é muito simples, com um retábulo onde figura a Virgem com o Menino.


Para além do convento existem pequenas ermidas espalhados pela Serra( o  Mosteiro antigo) onde os monges viviam solitariamente. Numa delas viveu o poeta Frei Agostinho da Cruz.


Uma das várias celas onde os monges passavam o seu tempo. Têm dimensões bastante reduzidas, apenas as necessárias para cada monge se movimentar no seu interior.

A cozinha onde  corre água que a rede hidráulica feita no século XVI leva das minas da serra.

O refeitório






Obrigada pela sua presença. Volte sempre.















Sem comentários: