terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Almada: Solar dos Zagallos 2

Visto do exterior, o conjunto apresenta o jardim do lado direito, o portão de entrada e o edifício acrescentado ao solar ao centro e, do lado esquerdo, a Capela de Santo António da Sobreda que, apesar de pertencer ao Solar dos Zagallos, tem a porta principal  virada para o Largo, uma vez que, a família abriu ali o Culto à comunidade.




Ultrapassando o portão, ao fundo do pátio, vê-se uma casa apalaçada de dois andares, ladeada à esquerda por um corpo também com dois andares de arquitectura pombalina e à direita o muro que separa o pátio do jardim.

O  piso  térreo  tem  duas  arcadas  com  arco em asa  de cesto ladeando uma escadaria que conduz ao patamar do piso superior.




Este patamar é revestido frontalmente com belíssimos painéis de azulejos representando cenas figurativas de meninos-anjos suportando capitéis encimados de jarros com flores.
Entre os quatro painéis, três portadas dão acesso aos dois salões nobres: o salão dourado e o salão verde.
 

Sobre a portada central é visível o brasão com as armas dos Zagallos e dos Carneiros. As armas deste último devem-se à união pelo casamento  entre as duas famílias.

Do lado esquerdo formando um “L “e encostado à Capela de Santo António, foi  acrescentado ao solar primitivo, um outro edifício de planta rectangular, também  com dois pisos.

No interior do Solar, de entre todas as divisões destacam-se:



Os Salões do Rei mandados construir para receber o rei D. João  V e a sua corte. São eles: o “Salão  Dourado “com uma pintura lindíssima no tecto, onde, segundo alguns relatos, estão retratados elementos da família Zagallo e o SalãoVerde, onde se destaca o medalhão que ornamenta o tecto representando Leda, a mulher do Rei de Esparta. 



Curiosamente, o monarca acabou por falecer antes desta visita  e  os salões nunca receberam a visita do rei.

A  Sala das Mentiras , assim  chamada  devido  a  várias curiosidades.O tecto desta sala é a primeira pois é de estuque pintado de forma a parecer madeira (trompe l’oeil) e imita a arquitectura moçárabe; a lareira é outra, pois é meramente ornamental, não tendo saída para o exterior; parece também mentira, o facto deste espaço ser escuro, apesar das inúmeras janelas.





Obrigada pela sua visita. Volte sempre.




Sem comentários: