terça-feira, 25 de novembro de 2014

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra



Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada.
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.
A espantosa realidade das cousas
É a minha descoberta de todos os dias.
Cada cousa é o que é,
E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
E quanto isso me basta. 

(Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos")



Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

Sem comentários: