quinta-feira, 15 de março de 2012

Memórias da Serra: O Parto

Pela ladeira vira descer apressada  uma jovem  que se precipitou de rompante pela porta da escola. Vinha  afogueada e pelo seu semblante percebi  que algo acontecera. Impaciente, interroguei-a para saber o porquê daquela visita inesperada.
Lá me foi explicando que a irmã, grávida no fim do tempo,  estava na hora de dar à luz e  o médico, que me conhecia de pequenina, me mandara chamar  para o caso de necessitar de ajuda, ou se fosse  preciso algum medicamento eu poder ir à farmácia, pois era a única pessoa na aldeia que tinha carro.
Como estava quase na hora do almoço saímos um pouco mais cedo e lá fui com a mensageira estrada acima, dizendo mal da minha vida pois nunca tinha tido muita coragem e afligia-me sempre que  via sangue.
À chegada o Dr. Armando deu-me algumas indicações e eu fiquei na cozinha pedindo a todos os santinhos para que tudo corresse bem e  eu não tivesse que assistir ao parto.
Um choro de bebé despertou-me dos meus pensamentos. Corri para a porta do quarto e observei os movimentos rápidos do doutor mas, pelo seu semblante preocupado, apercebi-me que algo correra mal.
O Dr. Armando saiu para o corredor e pôs-me a par do sucedido. O recém-nascido apresentava uma malformação congénita onde se via uma fenda numa vértebra pondo a medua a descoberto (espinha bífida aberta). O caso era muito grave  e aquele pequeno inocente teria pouco tempo de vida. Fiquei completamente paralisada perante tal evidência.
Os pais logo pensaram em  baptizar o bebé e quiseram que eu fosse a madrinha, ao que eu acedi prontamente. Alguns dias depois do baptismo, acabou por falecer deixando os pais completamente destroçados.
Quis o destino que a minha mãe fosse sepultada numa campa mesmo ao lado do local em que ele fora sepultado. Ainda hoje, quando visito a sepultura da minha mãe, recordo este acontecimento que ficou tristemente  marcado na minha memória e deposito sempre  no local algumas flores em memória deste  meu afilhado.

Photobucket



Obrigada pela sua visita. Volte sempre



5 comentários:

Duh Franzen disse...

Que história triste Lourdes...Que pena que o bebê morreu.

Artes e escritas disse...

Triste, mas pleno de afeto. Um abraço com respeito, Yayá.

Luís Coelho disse...

Aqui na aldeia não havia médico e eram as curiosas que faziam estes trabalhos.
Nos os quatros apenas tivemos essas famosas senhoras e tudo correu bem.

A história desse parto é com um final mais triste, mas ainda assim a madrinha nunca irá esquecer o afilhado.

alfacinha disse...

Quando perdemos os nossos pais ficamos orfeões, perdemos o nosso consorte enviuvamos ,mas não existe uma palavra quando perdemos um filho.
Um abraço

Anabela Jardim disse...

O tempo passa, mas deixa suas marcas...