quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Estória de Natal

 
A noite estava linda e as estrelas brilhavam no céu naquela noite de Natal de 1970.
Maria de Jesus, cabisbaixa como se carregasse o Mundo sobre os seus ombros, saía da capela após assistir à Missa do Galo. Nascera ao princípio do dia 25 de Dezembro há quarenta e cinco anos atrás, daí  a razão do seu nome, mas a vida sempre lhe fora madrasta.  Pouco tempo após o casamento,  o marido faleceu precocemente, deixando-lhe um filho para educar. Passou por muitas dificuldades para o criar e,  tal como muitos outros, chegada a idade da tropa foi mobilizado para a guerra do ultramar.
Já há algum tempo que Maria de Jesus  não recebia nenhum aerograma deo filho  e, o seu coração de mãe só pensava no pior.
Deslocava-se no meio de todos os habitantes da sua aldeia que alegremente conversavam à sua volta mas, enquanto os  vizinhos exuberavam de felicidade na companhia dos familiares que os tinham vindo acompanhar naquela quadra, ela estava mais só que nunca. 
Alheia a tudo e a todos seguiu para casa. De repente, sentiu-se mais triste ainda. Ao olhar para a janela  da sala, vendo-a  iluminada pensou que se esquecera da luz acesa. Como andava a sua cabeça... - pensou ela.
Arrastando-se pelo carreiro chegou  a casa. Abriu a  porta e ficou atónita. Sobre a mesa   um pequeno bolo-rei e, na sua frente, sorrindo para ela estava o seu Zé. Abraçaram-se  demoradamente e, entre choro e risos,  ele lá lhe foi explicando que tinha sido ferido numa emboscada, quando  a coluna militar onde seguia,  fora atacada. Devido ao seu desempenho heróico, ajudando a  salvar alguns dos seus colegas,  apesar de  ferido,  fora premiado com um louvor e  um mês de férias na Metrópole para se restabelecer. Pensando na data, não perdeu tempo e apanhou o primeiro avião. Após a chegada, gastou o pouco dinheiro que tinha consigo na compra dum bolo-rei e chegara alguns minutos antes.
Maria de Jesus sentiu que,  esse ano a vida lembrara-se dela e tinha-lhe oferecido  o melhor presente de sempre.

Sobral Magro
  
Passaram os anos.
A mesa estava posta com todas as iguarias tradicionais de Natal rodeando o bolo-rei.
José encontrava-se por detrás da vidraça, aguardando  os familiares que tinham ido assistir à Missa do Galo. Os seus olhos estavam fixos na entrada da capelinha da sua aldeia, tal como acontecera há muitos anos atrás mas, desta vez, no meio das pessoas que saiam da Missa do Galo, não vinha a sua mãe, que falecera no ano anterior.
Emocionou-se e uma lágrima furtiva rolou-lhe pela face. O neto que entretanto se aproximara, trouxe-o de volta à realidade, quando lhe chamou a atenção para tantas estrelinhas que havia no céu.
Era verdade naquele ano a noite de Natal estava linda e estrelada e ele pensou que, lá bem longe, no meio de todas aquelas estrelas do céu, a sua mãe estaria a sorrir para eles.


Obrigada pela seu visita. Volte sempre.



 

5 comentários:

Manuela disse...

00000000_00000000_000_____000_00000000
000______000______000_____000_____000
000______000______000_____000____000
00000____00000____000_____000___000
000______000______000_____000__000
000______000______000_____000_000
000______00000000_0000000_000_00000000

_000000_____00000_______000_____000
00000000___0000000_____0000____0000
00____00__00_____00___00_00___00_00
_____00___00_____00______00______00
____00____00_____00______00______00
___00_____00_____00______00______00
__00______00_____00______00______00
_0000000___0000000_______00______00

Luís Coelho disse...

Uma história bem triste, mas infelizmente igual à de tantas famílias portuguesas nessas décadas recuadas, mas ainda muito vivas nas nossas memórias.

Mariazita disse...

O final do ano aproxima-se. Faltam já poucas horas.
Preparemo-nos para nos despedir dele com dignidade, ainda que dela não seja muito merecedor :) Podia (e devia) ter sido um pouco melhor...
Que o teu final de ano decorra com muita saúde e alegria, na companhia de quem amas.
Que o Ano Novo traga consigo muitas bênçãos para derramar sobre todos nós.
Ao soar das doze badaladas façamos um voto especial pela Paz e Justiça no mundo.

FELIZ ANO 2011

Beijinhos

João Celorico disse...

Olá, Lourdes!
esta é uma estória de vida e da Vida, onde momentos de alegria se juntam aos mais tristes. Tentamos lembrar uns e esquecer os outros e assim se vai vivendo.

Agora retribuo a sua visita:

Cumpre-me, então, retribuir!
Além de Paz, Saúde e Amizade,
que o 2011, que está para vir,
lhe traga Dinheiro e Felicidade!

Deixem-me também que avise
este tão distraído nosso povo!
Tal, como cá chegou a crise,
agora, já aí vem o Ano Novo!

Abraço e até para o Ano!
João Celorico

Anónimo disse...

Feliz Ano Novo "prima", obrigada pela sua mensagem
Saúde
Alegria
Um grande abraço da família Mendes.

Anabela