segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Arco-Íris

Acordou com o ruído do vento que fustigava os estores do quarto. Pelas frestas, apercebeu-se que tinha pela frente mais um dia cinzento e chuvoso. Dolente, espreguiçou-se e logo sentiu um frio gelado que a fez enroscar-se, de novo, nos cobertores macios e quentes. Ali ficou algum tempo acordada, até que a voz da mãe anunciando-lhe  que o café estava pronto, a despertou.
A custo levantou-se, dirigiu-se para a  janela e subiu os estores.
Chovia. Uma chuva forte, tocada a vento batia nas vidraças da janela.
De novo, a voz  da mãe dizendo-lhe que o café estava a arrefecer, tirou-a daquela moleza. Olhou para a cama e, num primeiro impulso, sentiu vontade de se deitar novamente. Tinha pela frente mais um dia invernoso apesar de  o Inverno ainda não ter chegado. Nesta época, os dias custavam a passar na sua pequena aldeia. Esperava-a um dia vagueando pela casa, sem nada para fazer, com um frio de rachar que a impediam de se afastar da lareira.
Desceu as escadas e encaminhou-se para a cozinha. À medida que se aproximava, um agradável odor a café encheu-lhe os sentidos. Na  lareira o lume crepitava. Sentou-se num banquinho, ajeitou as cavacas que ardiam rapidamente, ateadas pelo vento que descia pela chaminé e sorveu alguns golos de café quentinho acompanhados por uma fatia de broa barrada com manteiga. Sentiu-se aconchegada.
Olhou para fora, através da janela da cozinha e  apercebeu-se que a chuva parara. No céu, o arco-íris apareceu trazendo consigo prenúncio de bonança.

Serra do Açor



Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

1 comentário:

Luis disse...

Minha Querida Amiga Mª de Lourdes,
Bela descrição de uma manhã de inverno na aldeia! Mas por cá tembém tem havido manhãs deste jaez e bem acompanhadas de muito frio! O que não tem aparecido é o arco-iris aqui apresentado e que faz as delicias das crianças e não só...
Um beijinho muito amigo.