sexta-feira, 29 de julho de 2016

Por Que É Fim de Semana: Aigra Nova e Aigra Velha

Porque é fim de semana vamos conhecer um pouco as aldeias do concelho Góis.
Poucas são as localidades deste concelho que já visitei. Por essa razão, valeram-me as fotografias de alguns amigos e o site http://www.goisproperty.com ,  onde fui buscar alguns  textos referentes a cada aldeia.  
Começamos o périplo pela freguesia Góis, partindo à descoberta das aldeias de Aigra Nova e Aigra velha.
Aigra Nova (Foto de http://www.fogecomigo.pt/)

A Aigra Nova é uma aldeia de xisto lindamente restaurada com ruas estreitas, calcetadas com quartzito (uma cinzenta pedra local). Apesar de ter o nome "Nova", a aldeia provavelmente tem mais de 1400 anos e presume-se terem sido os Mouros os primeiros colonizadores. Existem minas de ouro em baixo da aldeia e provavelmente isto é a razão pela qual os primeiros colonos se estabelecessem nesta área.
A recente construção da casa do convívio revelou várias grandes Pedras redondas de granito não natural desta área. Estas demonstram indícios e sinais de aquecimento e rápido arrefecimento. É provável que estas pedras sejam do tempo dos Mouros e a localização na proximidade da fonte de água da aldeia sugere, que estas poderiam ter sido utilizadas para aquecer a água para banho.
Na aldeia encontra-se uma loja que vende produtos regionais como doce de Maçã e castanha, licores e artesanato regional.

[aigra+velha+in+povorais+hi5.jpg]
Aigra Velha (Foto de http://goisvive.blogspot.pt)

A Aigra Velha é uma das aldeias mais altas da região de Góis. Um estrada de terra batida leva-nos a este lugar, que se encontra a mais de 2 km da próxima aldeia habitada e nos transmite uma sensação de nos encontrarmos no meia do nada e longe de tudo. Por todo lado nos arredores da aldeia podemos ver sinais / indícios de javalis, e por vezes é possível observar veados e/ou ouvir os seus gritos durante o cio outonal. A aldeia situa-se mesmo por baixo do cume e é constituída por um agrupamento de edifícios de xisto à volta de uma rua calcetada. A aldeia é habitada por uma família que cria gado e recolhiam mel, antes que o fogo de alguns anos atrás destruísse as colmeias.
Recentes investimentos possibilitaram o restauro de muitos dos edifícios de xisto e fez-se uma nova calçada com candeeiros de iluminação pública. Separado da aldeia, encontram-se três casas de xisto restauradas que podem ser alugadas para férias ou fins-de-semana.



Obrigada pela sua presença. Volte sempre.

Sem comentários: