segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Hoje a noite é de poesia... Carlos Drummond de Andrade

 
Viver
 
Mas era apenas isso,
era isso, mais nada?
Era só a batida
numa porta fechada?

E ninguém respondendo,
nenhum gesto de abrir:
era, sem fechadura,
uma chave perdida?


Isso, ou menos que isso
uma noção de porta,
o projecto de abri-la
sem haver outro lado?

O projecto de escuta
à procura de som?
O responder que oferta
o dom de uma recusa?

Como viver o mundo
em termos de esperança?
E que palavra é essa
que a vida não alcança?

Carlos Drummond de Andrade,

in 'As Impurezas do Branco'


Obrigada pela sua visita. Volte sempre.



 

Sem comentários: