quinta-feira, 2 de junho de 2016

Paris: O Louvre

Paris é uma cidade onde abundam os Museus. No entanto, o Museu do Louvre destaca-se a nível mundial, pois ali estão expostas as obras de arte mais conhecidas de alguns dos mais reconhecidos artistas. 
O Louvre não nasceu Museu. Foi construído primeiro como fortificação para defesa da cidade, por ordem de Filipe II. 

No reinado de  Carlos V,  foram efectuadas obras que o transformaram num   palácio. Outros reis foram continuando as melhorias  e passaram a utilizá-lo  para residência da família real, até que em 1678, o Louvre foi trocado pelo palácio de Versalhes.

Entretanto,  passou a ser utilizado por academias de pintura, escultura,  ciência e política e também como residência de artistas. 
À medida que o palácio se degradava, surgia a ideia de o transformar num museu, o que viria a acontecer em 19 de Novembro de 1793, ainda que por pouco tempo. 
A reabertura verificou-se em 1794 e, a partir de então, passou  a receber diversas obras de arte.
As obras de melhoramento e alargamento não pararam e actualmente o Palácio acolhe para além do Museu, a Escola  do Louvre, a União Central das Artes Decorativas, o Centro de Pesquisa e Restauro dos Museus de França, galerias comerciais e espaços de exposição.
No centro do pátio do palácio, no local por onde actualmente se faz o acesso principal, encontra-se uma pirâmide de vidro invertida  que muita  controvérsia tem gerado.

O post de hoje foi dedicado a uma resumida história do Louvre. No próximo, partilharei algumas das obras de arte nele expostas, bem como algumas das salas que serviram de aposentos a Napoleão.


Obrigada pela sua presença. Volte sempre.





Sem comentários: