segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O Carteiro Fotografa Sempre Duas Vezes



No início do ano, os CTT lançaram um desafio aos seus colaboradores carteiros que percorrem diariamente os caminhos do nosso país, que consistia em mostrarem, através de fotografia, alguns dos locais que fazem parte do seu quotidiano.
Assim, a partir de finais de Maio, os carteiros passaram a trazer consigo uma máquina fotográfica descartável com as quais captaram 86 859 imagens do país real. De entre elas foram seleccionadas duzentas fotografias, que irão figurar numa exposição a realizar no edifício dos Correios situado na rua de S. José nº 10 em Lisboa, a  partir de 17 de Dezembro.
Esta exposição irá depois percorrer o país e as suas fotografias farão parte dum livro, edição dos CTT cujas receitas financiarão o projecto dos "carteiros - fotógrafos".
De entre as fotografias escolhidas fazem parte duas da serra do Açor, da autoria do Paulo Dinis, natural de Pomares, que é o carteiro que distribui a correspondência na minha aldeia. Para mim é sempre um orgulho quando vejo premiado o trabalho dos meus conterrâneos.
Neste caso, não me admirei  que as suas fotos tenham merecido esta distinção. Muitas são as  que tenho visto da sua autoria e sempre reconheci nele  sensibilidade,  jeito, gosto e até arte para a fotografia.  Por essa razão, não quero deixar de lhe prestar a homenagem que merece bem como de lhe  enviar  os meus Parabéns.


- A minha aldeia vista pela objectiva do Paulo -

Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

3 comentários:

Idanhense sonhadora disse...

Lourdes ,desconhecia essa iniciativa dos CTT mas acho muito interessante . Quanto ao seu carteiro fotógrafo merece estar presente entre os escolhidos ,basta ver a bela foto aqui presente .
Beijinhos
Quina

Anabela Jardim disse...

Adorei a foto da sua aldeia tirada pelo carteiro. Lembra bem alguns cantinhos aqui em Minas Gerais.

Anónimo disse...

Obrigado Dª Lurdes , fiquei bastante sensibilizado com a homenagem que me prestou ao dedicar-me um post no seu blog bem como aos elegios que me teceu.

O meu muito obrigado.

Paulo Dinis