sábado, 21 de agosto de 2010

Poema de Festa

Divagando pela net, encontrei m poema simples que traduz a simplicidade das festas da minha aldeia.


Uma festa



Uma alegria contagiante no ar
As luzes coloridas, a brilhar
Uma música da moda a tocar
Todos animados, a dançar
Pelo jeito ninguém quer parar
Esse momento mágico, querem aproveitar
Ruim é saber que isso uma hora vai acabar
A magia vai cessar
A música vai se calar
A luz vai desligar
O sol vai raiar
Um dia normal vai começar!

 

Clarice Pacheco


 
Obrigada pela sua visita. Volte sempre.



3 comentários:

Luís Coelho disse...

Olá
Esteve numa de festas populares.
São manifestações de cariz popular
que se vêm repetindo todos os anos.
São meios de reencontro de velhas amizades e de convívio que é preciso respeitar.

Fernanda disse...

Amiga Lourdes.

Nesta altura do ano há festas em todo o lado.

Festas e romarias, bailes e cheiro a pipocas e algodão doce no ar!!!
O Verão está a acabar :((((
Não quero em pensar....
Beijinhos

Na casa do Rau

Gabi disse...

Realmente, 'Uma festa' de Clarice Pacheco ilustra a alegria das festas em nossa aldeia!!!