sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Porque É Fim de Semana: Vale de Maceira

Porque é fim de semana, seguimos à descoberta de mais uma localidade da freguesia de Aldeia das Dez. Desta vez vamos até ao Vale de Maceira. 



























Esta é a povoação mais conhecida da freguesia, devido ao seu antiquíssimo santuário dedicado a Nossa Senhora das Preces, sobre o qual já várias vezes aqui escrevi.
No espaço de santuário existe uma mata  onde se podem apreciar várias espécies botânicas, algumas delas seculares, lagos,  repuxos, chafarizes,  o coreto, a gruta do presépio, a igreja, as capelas representando a Via Sacra e a Albergaria.


Anualmente, acontecem no Vale de Maceira várias festas de cariz religioso e pagão das quais se destacam a  de Nª Sª das Preces e a Festa da Castanha. 
Ambas trazem à aldeia muitos visitantes, embora já não se possam comparar com as antigas romarias em honra de Nª Sª das Preces, que enchiam o espaço do santuário de comércio, animação e forasteiros vindos de várias regiões do país.



























Esta é pois,  uma povoação de visita obrigatória para quem viajar nesta zona da serra do Açor.













Obrigada pela sua visita. Volte sempre.






quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

A Minha Serra

Nos meus passeios frequentes pela serra, muitas vezes passo indiferente às belezas que ela nos oferece, por serem tão  usuais na minha vida. No entanto, há dias em que estou mais desperta  e reparo mais nesta imensa serra pura e natural que me transmite sensações únicas.
Por extrapolarem o alcance da linguagem escrita, aqui deixo algumas imagens em fotografia.


Obrigada pela sua visita. Volte sempre.









quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Linguagem ( Ilustrada) da Minha Aldeia VI

Continuando o tema das palavras, que posso ilustrar e que eram usadas na minha aldeia, há alguns anos atrás, aqui vão mais alguns exemplos.


Inxerga  (enxerga) - Catre, cama pobre.

Apiaçado - Apertado

Arneiro - Terreno de cultivo alagado, lamaçal

Baturéu - Pequeno terreno de cultivo

Bogacho - Novelo


Palanquim - saliência junto a uma janela que foi rasgada até baixo fazendo porta com pavimento normalmente de granito e cercado de ferro forjado de vários efeitos decorativos, varanda.





Obrigada pela sua visita. Volte sempre.







terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Da Aldeia a Oliveira do Hospital

Apesar de a minha aldeia pertencer ao concelho de Arganil é à cidade de Oliveira do Hospital que frequentemente me desloco para qualquer tipo de compras.
A sede do meu concelho está muito atrás de Oliveira do Hospital no que respeita ao comércio.
Por outro lado, até em  acessos Arganil fica a perder. Todo o percurso é feito numa estrada onde as curvas e contra curvas se sucedem enquanto para Oliveira grande parte do trajeto é percorrido pela estrada da Beira, muito mais larga e retilínea.
Saindo de Sobral Magro, eis as localidades que atravessamos até ao nosso destino:

Agroal
Pomares

Avô





















































Vila Pouca da Beira
Venda de Galizes


























Senhor das Almas
Catraia de São Paio









Oliveira do Hospital




Obrigada pela sua visita. Volte sempre.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Aniversário da Minha Sogra

O dia de anos da minha sogra trouxe-nos, de novo, à serra do Açor. O dia foi passado no Centro Social de Aldeia das Dez,  onde os meus sogros se encontram desde o início do ano. 
Num ambiente familiar, têm recebido de todos os funcionários  a dedicação,   o carinho e a preocupação com o bem estar que todos os idosos necessitam, 24 h por dia.
E, em dia de aniversário, houve direito a bolinho e  Parabéns a Você, alegremente entoado pelas funcionárias e utentes do lar e centro de dia, que as fotografias que se seguem testemunham.














No próximo fim de semana será a vez do meu sogro ter a sua festa de aniversário. Ambos têm a mesma idade, 91 anos, apenas separados por escassos dias.


Obrigada pela sua visita. Volte sempre.







sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Porque É Fim de Semana

Porque é fim de semana, vamos continuar a percorrer a serra do Açor, desta vez na freguesia de Aldeia das Dez.
Vamos partir da sede de freguesia em direção à serra. O Cimo da Ribeira é a  primeira localidade que nos surge a pouca distância. É um pequeno aglomerado de casas e mais algumas dispersas rodeadas de campos de cultivo.
Continuamos o percurso e, logo mais à frente, surge-nos o Goulinho, uma pequena localidade, outrora bastante povoada de gente  de vários ofícios para além da agricultura e pecuária. Eram célebres as mantas de fitas  feitas pelos tecelãos desta povoação.
Na aldeia existe uma pequena capelinha que tem por padroeiro São Paulo, cuja festa anual se realiza no primeiro Domingo de Agosto.

Anexo ao Goulinho fica ainda   o Casal Cimeiro.

Por agora ficamos por aqui, continuando na próxima semana o nosso percurso pela freguesia de Aldeia das Dez. 



Obrigada pela sua visita. Volte sempre.





quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Cabo Espichel

De Fernão Ferro, vamos partir à descoberta do Cabo Espichel, aqui bem perto, junto a  Sesimbra.
No alto deste cabo localizam-se algumas edificações que formam o conjunto do Santuário de Nossa Senhora da Pedra Mua: Igreja de Nossa Senhora do Cabo, o Terreiro, a Ermida da Memória, a Casa dos Círios, o Cruzeiro, a Casa da Água e Aqueduto.

A Igreja de Nossa Senhora do Cabo foi erigida em 1701, substituindo uma ermida construída em louvor duma imagem da Virgem que, conta a lenda, foi encontrada no local.  
Situa-se num dos topos do terreiro, de costas para o mar,  tendo de cada lado  um conjunto de  construções, a  Casa dos Círios, mais tarde construídas, para  acolher os peregrinos que acorriam ao local.
No outro extremo do terreiro existe um Cruzeiro, no local onde começa o Santuário.

Entre a igreja e o mar existe uma pequena capela abobadada, que tem no seu interior uma bela coleção de azulejos. É  a ermida da Memória. 

Já  fora  do recinto, existem o aqueduto e a Casa  da Água, que garantiam  ao Santuário o fornecimento   de  água  potável,  conduzida desde a Azóia, a uma distância aproximada de 2, 5 Km.


Como em muitos pormontórios, também neste existe um farol.  Em 1430 já ali existia um farolim que deu lugar ao atual  em 1790, cujo combustível foi mudando ao longo dos tempos.

O conjunto arquitetónico está bastante abandonado, o que é pena pois é bastante bonito e está inserido num local onde a natureza proporciona uma calma e soberba paisagem. 





Obrigada pela sua visita. Volte sempre.







quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Fernão Ferro: Museu ao Ar Livre

O post de hoje é, uma vez mais, dedicado à localidade onde habito: Fernão Ferro.
Nesta povoação, existe um verdadeiro museu ao ar livre. Em cada cruzamento ou jardim saltam à vista, verdadeiros  aspetos museológicos ligados ao modo de vida desta região, em tempos passados.
Eis alguns deles:

Bomba de transfega de vinho
Bomba de transfega de vinho de roda de balanço
Charrua com uma rabiça
Charrua com duas rabiças
Charrua com duas aivecas
Charrua galucho











Nora

Sarilho de Poços




Obrigada pela sua visita. Volte sempre.