sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Bom Fim de Semana



A verdadeira base da vida está nas relações humanas.
(Henry Moore)



§§§§§------§§§§§

Estou sem “e” no teclado. Só com copy e past está a ser difícil.
Entretanto vou à terra, ao Convívio do Sobral Magro e quando vier logo se arranja solução.
Bom fim de semana para todos!







FEIRAS

Adormeci e sonhei que a vida era alegria; despertei e vi que a vida era serviço; servi e vi que o serviço era alegria.
(Tagore)

§§§§§------§§§§§



As feiras são locais onde se comercializam os mais diversos produtos tendo as suas raízes por volta do século XII.
Na região da serra do Açor, era o local onde antigamente as pessoas se abasteciam. Ali se vendiam e trocavam os mais variados produtos e onde se faziam grandes negócios.
Presentemente, nós podemos comprar de tudo um pouco, sem precisarmos de esperar pelo dia da feira. No entanto, algumas delas têm persistido no tempo.
Actualmente, as feiras mais frequentadas pelos habitantes do Sobral Magro são as de Avô e de Arganil. A primeira pois é servida pela Carreira, e a mais próxima após deixar de se realizar a feira de Pomares; a segunda por haver também Carreira directa para Arganil e realizar-se semanalmente.
As fotografias que aqui deixo hoje, são da feira de Avô e foram-me cedidas pela pessoa nelas presente, que já não se encontra entre nós.
Obrigada ti Adelino!






quinta-feira, 27 de novembro de 2008

ANTES E DEPOIS:A ESTRADA



A parte mais importante do progresso é o desejo de progredir.
(Séneca)



§§§§§------§§§§§


Mais metro, menos metro, as fotografias que se seguem referem-se ao mesmo local, mas com anos de distância.
Na primeira podemos ver o caminho de bois, que ligava o Sobral Magro à sede de freguesia.







Na segunda podemos ver a estrada já construída, mas ainda sem alcatrão.






A última mostra-nos o mesmo local, mas já com estrada alcatroada.




quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O FRIO INSTALOU-SE ENTRE NÓS



Beleza, presente de um dia que o Céu nos oferece .
(Alphonse de Lamartine)



§§§§§------§§§§§

O frio já chegou.
No próximo fim de semana, estarei em Sobral Magro para tomar parte no Convívio organizado pela Comissão de Melhoramentos e já estou a prever uns dias de muito frio, mas de muito calor humano.
Apesar de tudo, acho que até era agradável que tivéssemos uns dias idênticos aos dos anos anteriores, em que o convívio decorreu com esta paisagem.





Os dias estiveram frios mas a paisagem era extremamente bela.




terça-feira, 25 de novembro de 2008

Parabéns Agroal



Para que resulte o possível deve ser tentado o impossível.
( Herman Hesse)


§§§§§------§§§§§

Uma vez mais dedico o meu post a uma Comissão de Melhoramentos que festeja hoje o seu aniversário.
No dia 25 de Novembro de 1951, fundou-se a Comissão de Melhoramentos do Agroal.
Aos habitantes daquela povoação e aos actuais dirigentes endereço os meus sinceros parabéns.

- Vista parcial do Agroal -

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A Lenha que nos Aquece



A verdadeira arte da memória é a arte da atenção.
(Samuel Johnson)



§§§§§------§§§§§

O frio já se faz sentir, especialmente de manhã e à noite. Sabe bem o quentinho da lareira.
Para que no tempo frio não faltasse lenha para se aquecerem, os habitantes da nossa região, enchiam as suas lojas de lenha, que apanhavam durante o Verão.



- Senhora carregando lenha -

( Foto cedida pela Elvira Santos)


Como as povoações tinham muitos habitantes a lenha escasseava.
Actualmente isso já não acontece.
Há menos pessoas a habitarem as povoações durante o Inverno e já há quem utilize aquecimentos útilizando energia eléctrica.
Nas minhas caminhadas de Verão foi frequente encontrar, nas bermas das estradas, troncos secos e pinhas, o que era impensável em meados do século passado.



- Lenha na berma da estrada florestal -

domingo, 23 de novembro de 2008

Figuras da Serra: O Taxista

Aqueles que não precisam de trabalhar chamam o trabalho de virtude para enganar quem trabalha.
(Santiago Rusiñol y Prats)


§§§§§------§§§§§


Uma grande parte dos naturais de Porto Silvado, que migraram para Lisboa dedicaram-se à profissão de taxistas. Um deles, o Sr. Manuel Fonseca, acabou mais tarde por se fixar em Pomares e aí continuar a exercer a sua profissão.
Ei-lo,na próxima fotografia, que me foi cedida pela neta Tânia Fonseca Coisinha.




- Manuel Fonseca e o seu táxi -







sábado, 22 de novembro de 2008

A Imprensa Regional

Os factos não deixam de existir só por serem ignorados.

(J. Sádaba)

§§§§§------§§§§§


Ao longo dos tempos, a imprensa regional tem tido uma importância primordial na divulgação da nossa região.
Coube-lhe também o papel de manter informados, todos aqueles que por qualquer razão migraram, sobre os acontecimentos que se passavam nas suas aldeias de origem.
Hoje em dia há outros meios mais rápidos de difundir as notícias, no entanto há ainda dois jornais no nosso concelho que resistem: o Jornal de Arganil e a Comarca de Arganil.
Referem-se a eles as duas fotografias que tirei na Casa de Convívio de Sobral Magro.





- O Jornal de Arganil -




- A Comarca de Arganil -


sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Amoras



Sorri, embora seja apenas um sorriso triste. Porque mais triste que o sorriso triste é a tristeza de não saber sorrir.
(Autor desconhecido)
§§§§§------§§§§§

As amoras-silvestres são o fruto duma planta do género Rubus, a que normalmente chamamos silvas.
As silvas são plantas muito presentes na serra do Açor, que se propagam bastante e constituem um verdadeiro embaraço nos terrenos agrícolas.





AS AMORAS
O meu país sabe às amoras bravas
no verão.
Ninguém ignora que não é grande,
nem inteligente, nem elegante o meu país,
mas tem esta voz doce
de quem acorda cedo para cantar nas silvas.
Raramente falei do meu país, talvez
nem goste dele, mas quando um amigo
me traz amoras bravas
os seus muros parecem-me brancos,
reparo que também no meu país o céu é azul.
Eugénio de Andrade


quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Convívio da Comissão de Melhoramentos de Porto Silvado

Há duas fontes perenes de alegria pura: o bem realizado e o dever cumprido.
(Eduardo Girão)

§§§§§------§§§§§


A Direcção da Comissão de Melhoramentos vai, uma vez , mais realizar um almoço / convívio no próximo dia 7 de Dezembro de 2008, na Quinta da Vitória na Sobreda da Caparica.



A Ementa é a seguinte:

Almoço:

Entradas – Pão, Dobradinha, Feijoada, salada de orelha, chouriço assado, morcela assada
Pratos Quentes – Creme de legumes e bacalhau à Vitória
Sobremesas – doce de natas c/ovo e cocktail de frutas, café, digestivos,
Depois do almoço haverá animação com baile.



Lanche:
Pratos quentes – caldo verde, perninhas de frango no espeto, salsichas c/ lombardo e arroz, salgadinhos
Mesa de buffet – taças de gelatinas, mousse de chocolate, bolo de bolacha, la reine, pudim de ovos, frutas assadas
Doces – pastelinhos de nata, pastelinhos de coco, tortilhas, arroz doce
Bebidas

O preço será de 25€ . As crianças dos 3 aos 9 anos pagarão 12,5 €
Marque já o seu lugar para um dos seguintes contactos: 966046732, 212585357, 919592421
A Direcção da Comissão de Melhoramentos conta com a presença de todos os seus conterrâneos e amigos.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Parabéns Foz da Moura

Uma coisa é certa, cada geração come o pão que a outra antes amassou.
(Dr. Paulo Ramalho, in Tempos Difíceis - Tradição e Mudança na Serra do Açor)



§§§§§------§§§§§

Hoje, mais uma aldeia da freguesia de Pomares está de parabéns.
Desta vez, é a Comissão de Melhoramentos da Foz da Moura que, fundada em 19 de Novembro de 1954, faz 54 anos.
- Há 40 anos atrás -
( Foto do hi 5 da Foz da Moura)

Desde então, iniciou-se uma era de melhoramentos e a diferença que se registou na povoação é bem notória.

- Foz da Moura na actualidade -
( Foto do hi 5 da Foz da Moura)
Uma vez mais, endereço os meus parabéns à Comissão de Melhoramentos da Foz da Moura, aos seus habitantes e actuais dirigentes.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Memórias do Passado II


As ideias de ontem fazem os costumes de amanhã.
(Anatole France)




§§§§§------§§§§§


O abandono da terra conduz-nos ao abandono da memória do modo de vida dos nossos antepassados, mas para que tal não aconteça os registos fotográficos ficam-nos para memória futura.
Hoje escrevo sobre as as poças que outrora, foram um grande auxiliar na agricultura da nossa região, na altura bastante povoada.
Algumas delas encontram-se localizadas no leito das ribeiras e barrocas.




- Uma poça na ribeira do Sobral Magro -



Outras eram construídas nos terrenos de cultivo sendo a água conduzida até elas, através de levadas.




- Poça (tanque) nos terrenos de cultivo em Porto Silvado -


Há ainda outros casos em que eram construídas junto das fontes, para aproveitar a água que se desperdiçava.







- Poça situada junto de uma fonte na Gramaça -




A água da rega era distribuída pela população de cada aldeia. Muitas vezes o corrente era fraco e não dava para colmatar as necessidades. Assim juntava-se a água numa poça e, quando tivesse uma certa quantidade, era então utilizada. Diziam as pessoas que iam botar a poça.


- Mulher botando a poça -






segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Memórias do Passado


Cada segundo é tempo para mudar tudo para sempre.
(Charles Chaplin)

§§§§§------§§§§§




Com o abandono das zonas rurais por parte dos seus habitantes que partiram em busca de melhores condições de vida, seguiu-se o inevitável abandono das terras de cultivo.
Olhando para a fotografia que se segue vêm-nos à lembrança imagens do bulício do passado, em tudo diferentes daquilo que nela podemos observar.

- Cômbaros abandonados no Porto Silvado -


Os cômbaros, hoje abandonados às silvas e ervas, estiveram outrora repletos de vida. Era deles que saíam os produtos que constituíam o sustento dos seus proprietários. As palheiras hoje caídas, devastadas pelos incêndios, eram o local onde esses produtos eram guardados. Nas suas lojas já não se ouve o tilintar das campainhas nem dos chocalhos dos animais…
Será a desolação? Será o progresso?
Para mim é o abandono, é a saudade...

domingo, 16 de novembro de 2008

Grupo de Danças e Cantares de Soito da Ruiva




Para se ser feliz, nada melhor do que trocar preocupações por ocupações.
(Masteeline)

§§§§§------§§§§§


Da amiga Teresa Neves , Presidente da Direcção da Comissão de Melhoramentos de Soito da Ruiva, recebi há dias a seguinte mensagem que passo a divulgar:



Caros amigos!

Aproxima-se a época de Natal e o Grupo de Danças e Cantares de Soito da Ruiva inicia mais um período pleno de actuações.
Deixamos aqui a informação do plano das nossas actividades para aqueles que queiram estar presentes. Agradecemos a divulgação deste calendário junto dos vossos e nossos amigos que não tem acesso a esta mensagem.

15 Nov
16h - Magusto convívio dos Amigos de Almada - jardim publico na continuação da Rua Rosas de Pombal
18h - Praça São João Baptista em Almada - inauguração da iluminação de Natal

23 Nov .
- Cruz de Pau - local e horário a designar que informaremos mais próximo da data

14 Dez
15h - Lar de Idosos de Vale de Figueira - Sobreda / Almada
17h - Animação de Rua em Almada no âmbito do evento Do Natal aos Reis promovido pela Câmara Municipal de Almada (local que informaremos mais próximo da data)

6 Jan
- 21h - Cooperativa Piedense - Cantar das Janeiras promovido pela Junta de Freguesia da Cova da Piedade

10 Jan
21h - Solas dos Zagalos - Sobreda / Almada - no âmbito do evento Do Natal aos Reis promovido pela Câmara Municipal de Almada

11 Jan
14h30 - Lar de Idosos de Costa de Cão (Monte de Caparica / Almada)

Um abraço
Teresa Neves



- G.D.C.S.R. actuando no Porto Silvado -


sábado, 15 de novembro de 2008

Figuras a Serra: O Carteiro



Ter saudades do passado é correr atrás do vento.
(Provérbio russo)


§§§§§------§§§§§


No passado mês de Junho, escrevi um post acerca da forma como era feita a distribuição do correio em Sobral Magro em meados do séc. XX, tal como pode constatar em:
http://www.blogger.com/post-edit.g?blogID=8349817415835173467&postID=1074392385534269158

Passada a fase em que o carteiro fazia o transporte da correspondência a pé, passou a fazer-se com o auxílio duma motorizada.
As fotos que se seguem mostram-nos como se processa este serviço actualmente.




- A Chegada do Carteiro -



- O Carteiro -

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Parabéns Sorgaçosa


Quando tiveres cumprido o teu dever, resta-te ainda outro: mostrares-te satisfeito.
(Goethe)



§§§§§------§§§§§



A 14 de Novembro de 1947, um grupo de naturais e amigos da Sorgaçosa fundou a Comissão de Melhoramentos daquela povoação.

Para os actuais dirigentes e naturais da Sorgaçosa, vão os meus Parabéns. Faço votos para que continuem a ter forças para prosseguir na senda iniciada há 61 anos pelos seus antepassados, na luta pelo bem estar daquela simpática aldeia, onde para além de familiares tenho também alguns amigos.




- Casa do Povo da Sorgaçosa -





quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Serra da Estrela


Se dissermos que a beleza abandonou o mundo é porque ela abandonou o nosso coração.
(Autor desconhecido)


§§§§§------§§§§§


De diversos pontos da nossa serra do Açor avistamos a vizinha serra da Estrela, a mais elevada de Portugal continental.
Miguel Torga escreveu sobre ela:
"Alta, imensa, enigmática, a sua presença física é logo uma obsessão. Mas junta-se à perturbante realidade uma certeza ainda mais viva: a de todas as verdades locais emanarem dela. Há rios na Beira? Descem da Estrela. Há queijo na Beira? Faz-se na Estrela. Há roupa na Beira? Tece-se na Estrela. Tudo se cria nela, tudo mergulha as raízes no seu largo e materno seio. Ela comanda, bafeja, castiga e redime. Gelada e carrancuda, cresta o que nasce sem a sua bênção; quente e desanuviada, a vida à sua volta abrolha e floresce. O Marão separa dois mundos_o minhoto e o transmontano. O Caldeirão, no pólo oposto de Portugal, imita-o como pode. Mas a Estrela não divide: concentra."


- A serra da Estrela vista de Aldeia das Dez -




terça-feira, 11 de novembro de 2008

Sopa de Castanhas



Para onde quer que o homem contribua com o seu trabalho deixa também algo do seu coração
(Henryk Sienkiewicz)


§§§§§------§§§§§



É do conhecimento geral que a castanha foi, durante muitos anos, um alimento presente na gastronomia dos habitantes da serra do Açor.
Comia-se assada, cozida, pilada ou mesmo em caldo ou sopa.
Após o Dia de S. Martinho, decidi deixar aqui uma receita da sopa de castanhas, retirada do site "Gastronomia do Concelho de Arganil".



Sopa de Castanha (à moda de Arganil)


Ingredientes
1,5 Kgs de castanhas piladas
1 Litro de feijão vermelho
1 Cebola
300 Gramas de massa de cotovelos
Presunto (q.b.)
Chouriço (q.b.)
Sal (q.b.)
Azeite (q.b.)



Preparação/Confecção
Colocam-se as castanhas de molho de um dia para o outro.
No dia seguinte, põem-se a cozer juntamente com o feijão.
Corta-se o presunto e o chouriço em pedacinhos pequenos e junta-se, bem como a cebola picada.
Vai-se mexendo de vez enquando e tempera-se.
Quando tudo estiver quase cozido, junta-se a massa e continua-se a mexer de quando em vez.
Quando tudo estiver finalmente cozido, coloca-se numa terrina e serve-se quente sem triturar nada.
Experimentem esta receita tradicional da nossa região e tenham
Bom Proveito!

O São Martinho



No dia de São Martinho, vai à adega e prova o vinho.
(Ditado Popular)



§§§§§------§§§§§



Hoje, dia de S. Martinho é dia de castanhas e vinho.
Reza a lenda que, num dia chuvoso de Outono, no século IV, em Amiens (França), um soldado de seu nome Martinho se encontrou com um mendigo, cheio de frio.
Martinho cortou a sua capa ao meio , e deu-lhe uma das metades, para que se pudesse proteger do frio. Nessa altura, a chuva parou e um sol radioso começou a brilhar.
Diz o povo que, é por essa razão que o dia S. Martinho costuma decorrer sob o signo do bom tempo, a maior parte dos anos.


Na região da serra do Açor, ainda se mantém a tradição de se fazerem magustos no dia de S. Martinho, comendo-se depois as castanhas num salutar e alegre convívio.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Poema duma Macieira

Se não levarmos a poesia e a beleza connosco, é inútil percorrermos o mundo. Em nenhum lugar as encontraremos.
(Emerson)

§§§§§------§§§§§
Ao dar uma olhadela pelas minhas fotos deparei com uma, que me trouxe à lembrança um poema dum dos meus escritores preferidos, também ele um apaixonado pela nossa serra do Açor.



Este é o poema duma macieira.
Quem quiser lê-lo,
Quem quiser vê-lo,
Venha olhá-lo daqui a tarde inteira.
Floriu assim pela primeira vez.
Deu-lhe um sol de noivado,
E toda a virgindade se desfez
Neste lirismo fecundado.
São dois braços abertos de brancura;
Mas em redor
Não há coisa mais pura,
Nem promessa maior.
Miguel Torga

domingo, 9 de novembro de 2008

O Azeite



É preciso sentir a necessidade da experiência, da observação, ou seja, a necessidade de sair de nós próprios para aceder à escola das coisas, se as queremos conhecer e compreender.
(Émile Durkheim)


§§§§§------§§§§§

Nos dias de hoje, o azeite obtém-se de forma idêntica áquela que os nossos antepassados utilizavam há milhares de anos. Só os materiais utilizados são mais modernos e as condições de trabalho bem melhores.
A azeitona era levada em sacas para o lagar, onde era moída entre duas enormes pedras, as galgas.
Formava-se uma pasta que era colocada entre as seiras ( espécie de capacho circular) onde era espremida.
- O azeite a escorrer das seiras -
Das seiras começava a escorrer o azeite que ia para dentro de pias, onde era lavado com água a ferver. Quando os dois líquidos se separavam, retirava-se o azeite que vinha à superfície. Era então colocado em ôdres ( vasilha feita de pele de animal) e transportado para a loja da casa , onde era colocado em pias.

- A pia do azeite -


Ao longo do ano, o azeite era utilizado para temperar e fritar alguns alimentos e também para usar como iluminação (nas lanternas ou nas candeias).
Na nossa freguesia houve vários lagares a funcionar, mas actualmente, penso que apenas o de Pomares ainda funciona.



- Lagar da Marqueza de Pomares -

(Foto da Net)


sábado, 8 de novembro de 2008

A Apanha da Azeitona



Não é o objectivo que tem interesse, são os meios para o alcançar
(Georges Braque)

§§§§§------§§§§§


É geralmente no início de Novembro que se iniciam os trabalhos da apanha da azeitona, que na nossa região se processa utilizando o processo manual. Isto é: normalmente os homens sobem se às oliveiras, usando grandes escadas e sacodem os ramos. Há também quem vareje os ramos, até as azeitonas se soltarem. Este processo é evitado para não danificar nem as azeitonas nem as oliveiras.
As azeitonas caem em cima de fardos estendidos no chão por baixo das oliveiras e as mulheres apanham-na para cestos ou sacas.
Procede-se então à escolha e, depois de ensacada, é levada para os lagares onde se faz o azeite.

- Mulher colocando a escada encostada à oliveira -

Parte dela é levada para casa para curtir e depois ser consumida durante o ano.
Actualmente existem já processos mecânicos ao dispôr dos olivicultores. No entanto nas encostas elevadas da nossa serra, é o processo manual que persiste.

- Um fardo com azeitonas -

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Os Castanheiros da Capela

Condenados à morte, condenados à vida, eis duas certezas.
(Alfred de Vigny)
§§§§§------§§§§§
O Sobral Magro sempre foi uma terra onde abundavam as castanhas.
Com os incêndios que têm devastado a região, muitos castanheiros desapareceram, mas os da capela lá vão resistindo.
Hoje deixo aqui algumas fotos com um dos referidos castanheiros, em diferentes épocas do ano.

- Primavera -


- Verão -

- Outono -


- Inverno -





quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Antes e Depois: O Largo



A parte mais importante do progresso é o desejo de progredir.
(Séneca)



§§§§§------§§§§§

O largo de Sobral Magro sofreu ao longo dos anos algumas modificações. Refiro-me ao largo situado à entrada da povoação.
Logo que a estrada ali chegou, e enquanto não houve autorização para continuar até ao Largo da Barroca, construiu-se um pequeno largo para os automóveis poderem inverter o sentido de marcha.



- O 1º largo -

(Foto de Vítor Pereira)

Mais tarde, foi alcatroado e construiu-se um bar e esplanada no seu topo do referido.

- O largo alcatroado e o bar-esplanada -

Actualmente existe um recinto de festas com um palco num espaço anexo ao largo .



- O largo actual -

A este largo foi dado o nome de Largo Arnaldo Filipe, que foi presidente da direcção da Comissão de Melhoramentos de Sobral Magro durante muitos anos.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Convívio no Sobral Magro

A alegria adquire-se. É uma atitude de coragem. Ser alegre não é fácil, é um acto de vontade.
(Gaston Courtois)




§§§§§------§§§§§



A exemplo dos anos anteriores, a Comissão de Melhoramentos de Sobral Magro vai realizar um convívio, no próximo dia 29 de Novembro, por altura da romagem ao cemitério.
Este ano, o Programa organizado pela Direcção é o seguinte:

Almoço/Convívio

Feijão com massa
e carnes de porco variadas
Arroz doce
Água
Vinho
Sumos
Café com “cheirinho”

Lanche

Caldo Verde
Bifanas
Castanhas


A animação estará a cargo do Grupo BOTA VINHO .
O preço será de 15 € e as inscrições podem ser feitas para:
João de Carvalho - 218862746
Agostinho Dias - 936186060
M. Lourdes - 964446419 ou 212123798





- Os Bota Vinho -



No Domingo, dia 30, realizar-se-à a Missa Dominical à qual se seguirá a romagem ao cemitério, para homenagear os familiares falecidos.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Gato do Porto Silvado



O homem nunca poderá ser igual a um animal: ou se eleva e torna-se melhor, ou se precipita e torna-se muito pior.
(Vladimir Soloviev)


§§§§§------§§§§§
De há uns anos a esta parte, no Porto Silvado existem mais gatos que pessoas.
Na minha última visita aos familiares que tenho naquela povoação, surpreendi o gato da minha tia aproveitando uma réstea de Sol, num dia já frio de Outono.
- Foto tirada no Porto Silvado -

Dizem que gato
é muito ingrato
e indiferente:
só gosta da casa
não gosta de gente.
Mas é puro boato.
Quem isso inventou
Não gosta de gato.
Pois o nosso Gatinho
tem verdadeiro horror
de ficar sozinho.
Prefere estar junto
do dono ou de alguém que
lhe queira bem.
E se o dono viaja,
fica miando
por ele buscando
por toda a casa.
E quando ele chega
fica tão contente
que sai em carreira.
pela casa inteira.
É assim que ele diz,
lá à sua maneira,
o quanto está feliz.


Ferreira Gullar